Herman Glanz

Início ARTIGOS Herman Glanz

Propaganda enganosa, ausência de escrúpulos e ódio perene

por Herman Glanz - Quando a França socialista de François Hollande invadiu o Mali, antiga colônia francesa, para “não permitir a presença de um...

Boas Notícias – por Herman Glanz

Há um regozijo porque ‘Lag ba Omer’, ou o 33º dia na contagem do Omer, as 7 semanas desde o segundo dia de Pesach,...

Lechaná Tová Ticateivu ve Tichateimu – por Herman Glanz

Estamos entrando no Ano Novo Judaico. É uma formulação diferente, o Ano Novo no sétimo mês depois de Pessach, a Páscoa judaica. No início...

Porque Jeremy Corbyn nos preocupa tanto

Corbyn nos mostra quão rapidamente um país inteiro pode se virar contra os judeus – novamente.

A Guerra Santa não Deixa de Ser Guerra

por Herman Glanz - Em 30 de agosto passado, num debate no Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre a guerra civil na Síria,...

Políticos não conhecem a história – por Herman Glanz

Lembramos a Shoá, depois do Pessach, lembrando do Levante do Gueto de Varsóvia, do Pessach de 1943. A Rebelião contra a Barbárie. Não se...

O Velho-Novo Nazismo ou também a Esquerda Nazista – por Herman...

Nos últimos dois meses, com o mês de junho ainda não concluído, aconteceram 300 ataques da jihad , com 1267 mortos contabilizados e 2379...

A grande marcha do retorno é do Sionismo

Agora, Gaza está totalmente em mãos do Hamas, não se permite a presença de um único judeu, uma região apartheid, e ninguém protesta.

Uma Nova Era e mais duas Bombas Atômicas – por Herman...

Conforme a TV iraniana, o Presidente Mahmoud Ahmadinejad, após firmado o acordo mediado pelo Brasil e Turquia, telefonou ao Primeiro-Ministro turco, Erdogan, declarando que...

NEM AGONIZA NEM MORRE

por Herman Glanz - O genial sambista Nelson Sargento produziu o sambão que diz... “Samba Agoniza mas não morre, Alguém sempre te socorre Antes do suspiro derradeiro” Para o...

A histeria da desinformação sobre Jerusalém e a festa de Chanuca

Israel passou a ser chamado Palestina, pelos conquistadores romanos, no ano 135 da nossa era, mas Jerusalém continuou capital da Palestina judaica.

INDÚSTRIA DE REFUGIADOS

A Europa está cheia de refugiados, não sabendo como lidar com tanta gente em busca de um lugar longe dos horrores das guerras.