COMPARTILHAR

Os essênios, os primeiros cristãos e a formação da Bíblia na maior descoberta arqueológica da Terra Santa, com Ariel Finguerman. Dia 30 de junho a 23 de julho, segundas e quartas-feiras, das 19h30 a 21h30.

manuscritos-do-mar-morto1

Em 1947, a ovelha de um pastor beduíno entrou em uma das centenas de cavernas esculpidas nas montanhas do Deserto da Judeia. O pastor atirou algumas pedras para espantar o animal, mas ouviu barulho de cerâmica se quebrando. Assim foram encontrados os Manuscritos do Mar Morto, considerada a maior descoberta arqueológica do século XX. Ainda hoje, representam as Bíblias mais antigas que conhecemos e trouxeram um inestimável conhecimento sobre a época em que foram escritas, ao redor do século I da nossa era, o mesmo período em que Jesus viveu. Os Manuscritos também revelaram a comunidade que então habitava no que hoje são as ruínas de Qumran: os essênios, uma seita religiosa da Terra Santa, que são os primeiros monges conhecidos da História. A vida dos essênios – o estilo de comuna, a imersão em água no deserto, suas preces, a relação conflitiva com o Templo de Jerusalém – tudo isto lançou uma nova luz sobre a primeira comunidade cristã, em formação naqueles tempos e, segundo as mais recentes pesquisas, influenciada por esta seita monástica do deserto.

Ariel Finguerman é formado em Filosofia e Jornalismo pela USP. Doutorou-se em Estudos das Religiões na USP e Universidade de Tel Aviv (Israel). É autor do livro “A Teologia do Holocausto” (editora Paulus). Foi aluno de pós-graduação em Israel da Profa Bilhah Nitzan, tradutora oficial dos Manuscritos do Mar Morto.

Informações:
Palas Athena
Alameda Lorena, 355 – Jardim Paulista – São Paulo
Tel (11) 3266-6188 | www.palasathena.org.br

Print Friendly, PDF & Email