COMPARTILHAR

Lamentando o uso da censura para influenciar as eleições de 2020, o Presidente Donald Trump assinou um decreto-lei incentivando a Federal Trade Commission a passar um pente fino no Facebook, YouTube, Twitter e outras redes sociais para constatar se elas abrigam vieses anticonservadores.

Um decreto desse tipo levanta questões quanto ao alijamento, exclusão daqueles que abraçam políticas erradas sob a alegação de que patrocinam o ódio, lançando assim novos e assertivos patamares. Mas é equivocado dirigir o foco somente em empresas que operam nos segmentos da informação e comunicação, como é agora o caso.

Sim, o sistema educacional, a mídia tradicional, as redes sociais, as organizações sem fins lucrativos e os veículos de propaganda são problemáticos. É claro, a informação é de suma importância, mas o alijamento vem avançando lenta, silenciosa e nefastamente mais além, atingindo avassaladoramente a vida cotidiana.

Organizações de esquerda (Southern Poverty Law Center nos Estados Unidos, Hope Not Hate no Reino Unido) impulsionam essa tendência pressionando empresas a se recusarem a fazer negócios com os “odientos.” (Não importa se a SPLC tem problemas de extrema gravidade.) E enquanto universidades e gigantes das redes sociais fazem a maior onda mostrando estender as mãos aos conservadores, na verdade, isso não passa de mera conversa fiada.

Na realidade, o alijamento visa avassaladoramente a direita, como os conservadores sociais, defensores da limitação na imigração, céticos quanto à antropogênica mudança climática, críticos ao Islamismo e simpatizantes de Israel.

Print Friendly, PDF & Email