A CASA DE TIA CIATA

Henrique Veltman

Início ARTIGOS Henrique Veltman

Cinema & Tragédia

por Henrique Veltman - Hitchcock, horrorizado com as imagens da chegada das tropas aliadas aos campos de concentração, ficou uma semana sem conseguir voltar...

O ASTROLÁBIO JUDEU E AS GRANDES DESCOBERTAS

por Henrique Veltman - Há sete anos, a BBC anunciou: “Uma ferramenta astronômica rara que ajudou cientistas medievais a determinar as horas vai permanecer...

OS MATA-MOSQUITOS

por Henrique Veltman - ...Esse meu esforço de memória tem apenas a finalidade de destacar a ineficiência dos serviços de Saúde deste país, incapazes...

O PLETZALE

Na esquina das ruas da Graça e Correia de Melo, no Bom Retiro, há uma instituição judaica muito preciosa; é o pletzale.

O DESEMPREGO, O NAZISMO E O BRASIL

por Henrique Veltman - Joseph Stiglitz, economista, vencedor do Prêmio Nobel, deu uma importante entrevista, publicada hoje (20/01/2016) no Estadão. Disse ele: “Os alemães...

MAURICE SCHWARTZ

por Henrique Veltman - Mesmo para quem não fala ídiche, vale a pena assistir a este vídeo, especialmente a parte final, com um trecho...

Ave, Trump, morituri te salutant

Trump não é a figura que o momento exige, ele não está à altura dos desafios que se colocam.

A ameaça epicurista

por Henrique Veltman - Pois então, foi o professor Henrique Iusim Z’L quem, um dia, começou a explicar para a garotada do Hebreu Brasileiro...

O MOLHO PARDO DOS JUDEUS NOTURNO

por Henrique Veltman - Coincidências acontecem. No domingo, na Comunidade Shalom, participei de um encontro no qual o rabino Michael Leipziger e o...

Adeus, Lênin; Hello, Putin

por Henrique Veltman - A revista Forbes, nessa semana, elegeu os 100 mais poderosos do mundo. Quem encabeça a lista? Vladimir Putin. No domingo (9)...

MINISTRO “MARCA BARBANTE”

por Henrique Veltman - Quando eu era menino, morador de uma vila operária em São Cristóvão, no Rio de Janeiro, a expressão...

Os velhos novos filósofos

Nos anos 1970, eu desfrutei de várias passagens por Paris & adjacências. Foi quando eu conheci e fiz amizade com dois jovens intelectuais judeus, André Glucksmann Z’L e Bernard-Henri Levy.