Um veneno mortal

Um veneno mortal

343
2
COMPARTILHAR

Um veneno mortal espalha-se hoje em sites, blogs, comunidades do Orkut, cartas de leitores (como a publicada por um leitor no Portal Imprensa) e nos fóruns da Internet: o veneno neonazista do “Revisionismo”, doutrina que objetiva induzir jovens internautas que desconhecem a História à cegueira através da negação do Holocausto.

Esse veneno é administrado em massa no submundo que vem à tona na rede mundial dos computadores; e já oficialmente entre as elites através dos pronunciamentos oficiais do Presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, isolado do mundo civilizado, mas apoiado com entusiasmo por estadistas corruptos da América Latina (Venezuela, Equador, Brasil). Estes declaram com orgulho estarem apenas a colocar os negócios acima da ética, mas no fundo compartilham, ainda não abertamente, da mesma ideologia do negacionismo islâmico, que assimilou o veneno neonazista e o transformou em verdadeira arma de guerra psicológica contra Israel.

Os pseudo-historiadores neonazistas só negam os fatos históricos relativos ao Holocausto, na ânsia de repeti-lo. Os historiadores sabem que o número aproximado de 6 milhões de judeus mortos no Holocausto não se baseia como afirmam os revisionistas em relatos de sobreviventes (como se estes não merecessem crédito), mas em estatísticas censitárias do número de judeus na Europa antes do Holocausto (cerca de 11 milhões) e depois do Holocausto (cerca de 4 milhões); de registros policiais da deportação dos judeus de toda a Europa para campos de extermínio; dos registros parciais dos próprios nazistas (Einsatzgruppen e outros), que anotavam os nomes de todos aqueles que eles exterminavam (parte desses registros foi queimada com a aproximação dos Aliados, mas parte ainda existe e pode ser consultada nos arquivos alemães, americanos, franceses, russos, israelenses), entre outros documentos das próprias autoridades nazistas.

Da mesma forma como, com a entrada dos computadores nas pesquisas, uma nova Enciclopédia do Holocausto revela que existiram 20 mil campos nazistas em toda a Europa, quando antes se conheciam 5 mil, é provável que o número total dos judeus mortos seja ainda maior que 6 milhões: o aporte de precisão das novas tecnologias poderá apenas aumentar os números estabelecidos, jamais diminuir, pois 6 milhões é uma base provada pelos registros existentes, que apenas os neonazistas contestam por desejarem voltar a matar os judeus com a “consciência limpa” de Auschwitz.

Típica desses “assassinos de alma pura” (como Jean-Paul Sartre definiu os antissemitas) é a exigência da existência de uma “ordem escrita” do extermínio dos judeus como “prova” do Holocausto, pois eles sabem que seus mestres não deixaram bilhetinhos para se incriminarem, anunciando ao mundo todo que estariam matando milhões de inocentes. Mas, na prisão, antes de matar-se, Rudolf Hess confessou seus crimes em suas memórias Eu fui comandante de Auschwitz. E numa de suas últimas entrevistas, Adolf Eichmann declarou só lamentar ter exterminado seis e não onze milhões de judeus, cumprindo a meta da ordem recebida. Referia-se à ordem de Reinhard Heydrich de “eliminar o povo judeu inteiro da face da Terra, incluindo as crianças”, para que elas não pudessem mais tarde, quando adultas, vingar-se da morte dos pais.

Os campos de extermínio podem ser visitados, e os milhões de pertences das vítimas, incluindo montanhas de cabelos cortados, óculos, malas, brinquedos, etc. podem ser vistos, ao lado das câmaras de gás, onde milhares eram mortos diariamente com gás Zyklon B (cujas latas também foram conservadas). No Tribunal de Nuremberg, o Holocausto foi provado através da mais farta documentação que um tribunal amealhou em toda a História, com 42 volumes apenas de resumos dos processos. E os filmes dos registros da abertura dos campos, realizados pelos cinegrafistas dos Exércitos Aliados (americanos, russos, ingleses e franceses) são provas visuais, sensíveis, materiais, que dispensam qualquer comentário.

Da mesma forma, como tudo o que sai da boca ou da pena dos revisionistas, a afirmação de que só existem museus para o Holocausto dos judeus e não para outras vítimas de genocídios é uma mentira deslavada. Todos os povos vitimados têm seus museus, incluindo o Museu da Tortura e o Museu de Guernica, na Espanha; o Museu da Guerra, na Rússia; Museu da Defesa de Stalingrado; o Museu da Grande Guerra Patriótica, de Minsk; o Museu Imperial da Guerra, em Londres; o Museu de Hiroshima, no Japão; o Museu das Reminiscências da Guerra, no Vietnã; os Museus Afro-Americanos em quase todos os estados americanos do Alabama a Virginia; o Museu da Escravidão Internacional, em Liverpool; o Museu da Escravidão Kura Hulanda, em Curaçao; o Museu Nacional da Escravatura, em Angola; o Museu do Escravo, em Minas Gerais, o Museu Afro-Brasil, em São Paulo, o Museu do Índio, no Rio de Janeiro, o Museu do Marajó, em Cachoeira do Ararí, etc.

Se outras nações erigiram, depois de Israel, seus museus do Holocausto, isso se deve também às campanhas neonazistas de negação do Holocausto, exigindo das autoridades mundiais uma resposta à altura, como o Museu do Holocausto em Washington, o Museu da Shoah em Paris e o Museu do Holocausto em Berlim. Pelo andar da carruagem, diante de tantos revisionistas que se manifestam impunemente na Internet, também o Brasil está precisando com urgência de seu Museu do Holocausto, antes que nossos jovens, manipulados por neonazistas convictos, convertam-se em neonazistas por pura ignorância.

clique na imagem para ampliar
clique na imagem para ampliar

Also published on Medium.

Comentários

  1. Bravo! Opiniões como deste ignorante, vem autenticar o pensamento de uma amiga minha: “o atrevimento é diretamente proporcional à ignorância”. Quanto mais ignorante, mais atrevido. Depois dessa lista de museus sobre o holocausto, o moço perdeu uma boa oportunidade de ficar calado.

  2. Parabéns pelo belo artigo pleno de consistência histórica irrefutável,contudo,parece paradoxal mas que todavia,torna-se cada mais verdadeira a razão: Meios de comunicação X Conhecimento,face a busca crescente em nossos dias de tenter obscurecer as verdades históricas através em especial da internet.

    A busca da negação da irrefutável verdade histórica do Holocausto ( Shoá) pelos pseudo historiadores na afirmação de seus questionáveis e anti – humanistas destinos manifestos, são bem mais que a pura expressão de se por a termo a " banalização do mal " como bem afirmou Hannah Arend em "As Origens do Totalitarismo", é a incessante necessidade da sindrome de Cain de se justificar fuga da responsabilidade pelo sangue de seu irmão através da negação da História.

    Gostaria também, apenas de lembrar que o Museu da Abolição na cidade do Recife , entidade esquecida de ser citada neste artigo, foi o primeiro Museu do gênero na história das Américas,o qual funciona na antiga casa do eminente e incansável abolicionista Comendador João Alfredo.