COMPARTILHAR

Há 2 semanas quando Netanyahu anunciou a dissolução do Knesset, todos previam que a nova campanha eleitoral seria, árdua, acirrada, negativa e suja. Porém, ninguém previu que esta ação causaria um verdadeiro terremoto politico. Certamente, nos 3 meses restantes até as eleições, em 9 de abril, teremos mais alguns after choques.

Geralmente quando há eleições ¼ dos deputados deixam o Parlamento e não são reeleitos. Alguns voluntariamente, outros por não serem o suficientemente conhecidos ou que não são protegidos pelos líderes partidários.

Os EUA com mais de 300 milhões de habitantes, consegue conviver com 2 partidos (Republicano e Democrata) e as vezes um terceiro, o Independente. Israel com pouco menos de 9 milhões de habitantes, tem 9 milhões de “parlamentares” e também egos, criando (até o momento) cerca de 14 partidos. Destes estão previstos para entrar no Knesset “apenas” 11 partidos.

O difícil será formar uma boa e estável coalizão. Qualquer partido com 4 a 6 deputados (5% do total) pode ter tanta influência a favor dos seus eleitores as custas da maioria da população. A votação em Israel é partidária e não pessoal. Partidária, apesar de que quase nenhum tem ideologia definida. Trata-se de pessoal, principalmente de liderança.

Um bom exemplo é o Benjamin “Bibi” Netanyahu, que tem boa base eleitoral, “sempre votei no Likud” e o Likud mudou tanto durante os anos. Não importa o que se escreve a respeito dele, os censos de opinião pública mostram que ele consegue alcançar entre 28 a 31 deputados. (25% do Knesset).

No último sábado (29), enquanto Netanyahu esteve no Brasil, ocorreu o 1º terremoto. Logo depois da saída do shabat, os 2 líderes do partido Habait Hayehudi (partido religioso, Lar Judeu), o Ministro da Educação, Naftali Bennett e a Ministra da Justiça, Ayelet Shaked anunciaram dramaticamente que deixam seu partido e criam um novo, Hayamin Hachadash (a Nova Direita).

Três dias depois (1), o lider do Partido Hamachané Hatsioni (o Campo Sionista) – união entre o Partido Trabalhista e a Tnuá da Tsipi Livni – Avi Gabai discursou em reunião do partido e ao seu lado sentada Tsipi Livni. Surpreendendo a todos, Gabai anunciou o fim da união entre os 2 partidos e que o Partido Trabalhista seguirá “novo e vitorioso trajeto”.

Este “divorcio politico” ocorre na tentativa do Partido Trabalhista obter mais eleitores, mas pelo visto sob a liderança de Gabai não o conseguirá. A união entre os 2 partidos alcançou nas última eleições 24 deputados, mas desde então está em queda livre, obtendo nos censos entre 7 a 9 parlamentares.Há revolta contra Gabai no seu próprio partido.

O terceiro maior partido, a Lista Arabe Unida (LAU) com 13 deputados está também atravessando mudanças. Não para se tornar Sionista, mas pessoal e ou ideologica. Há deputados que querem retornar a seus partidos de origem, que eram 3 antes da união. Enquanto isto não acontece, o deputado Dov Khenin, do Partido Comunista israelense (que é parte do LAU), o único deputado judeu deste partido árabe israelense e que está no Knesset há 12 anos, anunciou que esta deixando o Knesset. Seu companheiro de chapa, Jamal Zahalka, líder do Partido Balad também anunciou que não que se reeleger nas próximas eleições e há rumores que Hanin Zoabi também se retirará.

O General (da reserva) Yoav Galant, que entrou há 4 anos no Knesset pelo Partido Kulanu e é o Ministro da Habitação, renunciou ao partido e posto para ingressar no Likud. Outro General (da reserva), que foi o Chefe do Estado Maior, Benny Gantz, há meses cogitado para entrar na politica, correu para registrar o seu partido, Hossen leIsrael (Força para Israel) que mesmo sem abrir a boca até o momento, é tido como uma grande esperança para mudança e obtêm nos censos entre 15 a 18 cadeiras. Ninguem sabe seu programa nem que ingressará no seu partido.

Moshe “Bogie” Yaalon, que tambêm foi Chefe do Estado Maior e depois Ministro da Defesa que por descordar do Netanyahu deixou o ministério e o Likud após 7 anos no Knesset. Agora retornou ao inscrever novo partido, Telem, abreviação do Movimento Nacional Governamental. Este partido parece que não conseguiria suficientes votos para alcançar o minimo necessário de 4 deputados, que é a porta de entrada no Knesset.

Isto leva a sugerir que os 2 ex generais possam unir forças, talvez com o Yesh Atid e o novo/velho partido da Tsipi Livni formando um bloco grande que poderá tirar o Netanyahu do poder. É mais uma questão de egos, pois tem mais ou menos a mesma ideologia, apesar de que atualmente menos se fala de ideologia e mais das personalidades.

Netanyahu que foi pego de surpresa quando esteve no Brasil, ao ser informado, logo tachou o Gantz de “esquerda”, que se tornou um palavrão. Ao mesmo tempo atacou o Bennett e Shaked “por ferir gravemente a direita que poderá levar a formação de govêrno de esquerda”.

O primeiro ministro que está sob graves investigações de corrupção avisou: “não renuncio de jeito nenhum pois nada fiz de errado”. Enquanto isto, foi revelado que o Conselheiro Jurídico do Governo, Dr. Avichai Mandelblit encontrou-se sigilosamente com 2 de seus predecessores, conselheiros juridicos, inclusive ex presidentes da Suprema Corte e procuradores de Estado.

Todos foram unanimes em determinar que tem que finalizar as investigações e dar sua decisão ainda antes das eleições, isto é até o fim de fevereiro. O líder da coalizão governamental, Dudi Amsalem logo avisou: “milhões de pessoas não aceitarão colocar Netanyahu na justiça”.

Agora a campanha se voltará contra o Conselheiro Juridico do Governo a fim de pressiona-lo adiar suas conclusões para depois das eleições. Antes, o 1º Ministro conseguiu pôr de lado o Comissário da Policia que ele mesmo trouxe, onde era o Vice Diretor da Shabak. Netanyahu que não dá entrevistas a midia israelense, envia menssagens filmadas apresentando-se de “vítima de perseguição”.

Não há duvida de que a calorosa recepção que Netanyahu, sua esposa e filho receberam no Brasil, ficará na sua memória e bem que ele gostaria que não terminasse. De volta a Israel ele caiu na realidade e espera-se que para o bem de todos, as acusações contra eles sejam rejeitadas.

ISRAEL SE RETIRA DA UNESCO

A exemplo dos EUA, o Estado de Israel se retirou da Agência da Educação, Ciencias e Cultura da ONU. Ato absurdo, mas necessário já que esta agência só condenava Israel de forma ridicula e negando fatos historicos e descobertas arqueologicas. Não é necessário gabar-se, mas o povo que mais contribuiu para a cultura e herança mundial, numericamente, é o povo judeu. A começar pelas religiões: o cristianismo e o islão, em que o Maome copia historias do Antigo Testamento.

É conhecimento popular de que o Lar Judaico é a Terra de Israel e as provas deste fato são as descobertas arqueologicas que são enriquecidas a cada dia com novas descobertas. Por esta razão os muçulmanos querem destruir qualquer vestígio judaico da área. Assim foi até hoje e a sistematica destruição de vestígios arqueologicos como por baixo das mesquitas de Al Aksa e Omar, reduzidos a pó.

As mesquitas foram construidas justamente onde estava o Templo judaico no Monte Moria, hoje rebatizado de a Esplanada das Mesquitas. Aliás, nos mapas e escritos religiosos, a Jordania e os palestinos chamaram até há alguns anos o local do Monte do Templo de o Templo de Salomão.

Em 19 anos de governo jordaniano na Cisjordania (1948-1967), não se deu nenhuma importância a Jerusalem. Tratava o governo jordaniano em apagar e destruir sinagogas na Cidade Velha, destruir tumulos judaicos antigos no Monte das Oliveiras e usar as lápides na construçãp de estradas.

A UNESCO nada tem de cultural ou educacional foi invertida em organização politica imoral com numerosos politicos árabes, que não permitem apresentar a realidade e a verdade. A UNESCO chegou ao absurdo de rejeitar qualquer ligação do povo judeu com Jerusalem. Esta é sua eterna Capital e para onde todos os séculos judeus do mundo todo se voltam em suas preces.

O Túmulo de Raquel, uma das 4 matriarcas do judaísmo – perto de Beth Lehem (Belem) era chamado até pelos árabes de Kubat Rachel. Depois foi rebatizado de a mesquita de Bilal Ibn Rabah. Este foi dos primeiros “moazin” (cantores que chamam os crentes vir rezar) da época de Maome e que foi enterrado na Síria. Assim é a relação a Mearat Hamachpela – a Caverna dos Patriarcas – que segundo a Torá, o patriarca Abrão comprou para lhe servir de último repouso e lá foram enterrados seus filhos.

A UNESCO com a ONU tem que se envergonhar em distorcer a historia e condenar Israel, mais do que todos os países do mundo juntos. Por esta razão Israel não tem que fazer parte deste circo sem graça e esta é a razão que esta deixando a organização.

CURTAS:

MINISTRA JORDANIANA PISOTEIA BANDEIRA DE ISRAEL. O regime monarquico da Jordania depende muito de Israel. Seguindo o acôrdo de paz assinado em 1994, Israel lhe fornece água, mais do que devia. Agora com a descoberta de poços de gas, foi assinado contrato para o fornecimento de gas israelense a preço baixo para ajudar a economia jordaniana. Na área da segurança e em outras Israel está ao lado da Jordania. Mas, esta relação não é reciproca. O govêrno jordaniano não educa o povo para a paz e algo que não é inserido nas mentes, torna-se vulgar e nada amigável. Esta semana num encontro governamental na sede da União dos Engenheiros ocorreu algo inusitado. Ministros de Estado foram convidados e na entrada do edificio, pintaram a bandeira de Israel no chão para ser pisoteada pelos participantes. A Ministra da Informação que também é a porta voz do govêrno jordaniano veio e não se importou em pisar na bandeira de Israel (vide foto). O Primeiro Ministro que também atendeu a convenção, entrou por uma porta lateral e não pisoteou a bandeira. O ministério do Exterior de Israel apresentou protesto ao govêrno jordaniano e chamou o embaixador jordaniano para receber o protesto.

A SISI CONFIRMA COOPERAÇÃO MILITAR COM ISRAEL. O presidente egípcio Abdel Fatah a Sisi deu entrevista a rede de TV americana CBS. Nesta disse que o exercito egipcio recebe auxilio de Tsahal e principalmente da Força Aerea de Israel que ataca posições dos terroristas do Estado Islamico em Sinai, territorio egipcio. A cooperação é também pela proximidade com a fronteira de Israel. Esta ajuda sigilosa, até agora, é importante para a estabilidade do govêrno de A Sisi. Logo depois da entrevista o dirigente egípcio pediu para não transmiti-la, mas não foi atendido. Irá ao ar no domingo.

ALGUMAS ESTATISTICAS DE 2018. Começa um ano novo, é ocasião de rever alguns números estatisticos. O ano de 2019 entra com a população de Israel chegando a 8.972.000 habitantes, dos quais 6.7 milhões são judeus, 1.9 milhão de árabes e o restante de outras minorias. No ano passado (2018) emigraram para Israel cerca de 30 mil “olim”, um aumento de 5% do ano anterior. Os principais paises de onde vieram são a Russia, Ucraina, EUA e França. Do Brasil vieram 660 novos imigrantes. O número de turistas ultrapassou pela primeira vez os 4 milhões de visitantes, dos quais para 40% não foi a 1ª vez que veêm ao pais. A maioria dos turistas são dos EUA, França, Russia e até 100 mil da China. Com os voos diretos da Latam espera-se que o turismo do Brasil suba e chegue a 70 mil. A exportação de produtos de Israel passou o valor de 110 bilhões de dolares. Comparado a 2017, houve um aumento de 8% nas exportações.(o aumento mundial foi de 4.2%. O aumento deveu-se ao grande crescimento dos serviçs relacionados a alta tecnologia e a exportação de commodities. O principal crescimento em mercadorias (66 bilhões de dolares) foi em componentes eletronicos e quimicos. Tsahal, o Exercito de Defesa de Israel também publicou alguns dados. Na Faixa de Gaza atacou 865 vêzes, destruiu 15 tuneis. Descobriu e destruiu outros 5 tuneis junto a fronteira libanesa. Em 2018 morreram em atques terroristas 7 pessoas das forças de segurança e 9 civis. A Força Aerea realizou em todas as áreas- Gaza, Libano, Siria- cerca de 2000 missões de voo, as unidades de helicopteros e transporte militar mais de 2300 voos. Agora entram nas estatisticas o relativamente novo e eficaz método de voos de Aviões Não Tripulados (ANT). Êstes estiveram no ar por 32.166 horas.

ABENÇOADA CHUVA. Os últimos dias me levaram no pensamento para longe daqui. Na minha juventude em São Paulo, a cidade era conhecida pelo nome de “terra da garoa”. Israel teve dias seguidos de chuva interminante. Pois bem, em Israel há escassez de água natural. Tanto é que se tornou pais pioneiro em certas areas no processo de dessalinização. Nos últimos dias, Israel parece que se tornou São Paulo. Chove dias seguidos e quando se acalma, continua chuviscando uma garoa. Sabado passado foi típico. A temperatura estava abaixo de 10º, o aquecedor funcionando o tempo todo e através das janelas vimos as plantas do jardim sorrir e curtir a garoa leve e agradável. No Monte Hermon, (foto acima) a temperatura estava abaixo de 0º e isto não amedrontou mais de 4000 pessoas curtirem a neve se empilhando e permitir fazer sky, como se estivessemos na Suiça. Os rios tambem receberam com prazer as águas do céu e corriam no seu trajeto e em certas partes formaram cataratas. O Lago Kineret (Mar da Galileia) que esta a 5.5 metros abaixo do seu nivel maximo, já subiu neste inverno em cerca de 50 centimetros. O serviço meteorologico informou que o mês de dezembro foi chuvoso, principalmente no norte e no centro do país. Em certas áreas chegou a chover o dobro e até o triplo da média anual. As águas que escorriam por toda parte podem causar desastres ou beneficios. Um grande achado por causa da correnteza aconteceu quando um casal passeou na redondeza de Beth Shean e a mulher notou algo aparecendo da terra. Chamou o Serviço Arqueologico que escavou e desvendou da terra 2 estatuas de cerca de 1700 anos. Serviam os romanos,que na época governaram a área. As familias mais ricas mandavam esculpir em pedra macia busto do falecido e colocar no tumulo.

FRASE DA SEMANA DO DONALD. A frase mais ridicula da semana é do Trump. Não podia deixar de ser. Duas semanas após anunciar surpreendendo até os seus militares de que está retirando as tropas americanas da Síria. Ante o descontentamento avisou que a retirada será gradativa e demorará 4 mêses. Ontem veio a outra grande surprêsa. Ciente das atividades do Irã na Siria e das de Israel para restringir os passos iranianos nêste país, o Donald disse:”Irã pode fazer o que quiser na Síria, mas está se retirando da Síria e do Iemen. Não quero estar na Síria, pais que é só areia e morte”.

ÔNIBUS DE TURSMO EGIPCIO EXPLODE próximo as Piramides de Giza, perto de Cairo. O guia e 3 turistas vietnamitas morreram e 10 ficaram feridos. Para o Egito é também prejuizo economico. O turismo foi um dos pilares da economia egípcia. Nêste país a questão é levada a sério e ràpidamente resolvida. Já no dia seguinte o Ministerio do Interior informou que 40 terroristas foram exterminados em atividades das forças de segurança durante investidas em Giza e Sinai.

AO 10 PAÍSES MAIS RICOS DO MUNDO. A mídia gosta de descrever os países árabes e muçulmanos como pobres e oprimidos. É incrivel notar que entre os 10 países mais ricos do mundo, encontram -se 4 países árabes. Chegaram a isto não pelo árduo trabalho e sim por seren sortudos e sentar em cima de solo que tem o ouro preto, o petroleo. Esta é a classificação per capita em ordem decrescente: Qatar ($ 125k/por ano), Luxemburgo ($ 104k), Cingapura ($ 90.5k), Brunei($ 76.7), Irlanda ($72.6), Noruega ($70.6), Kuweit ($70k), UEA ($68.2k), Suiça($61.3k) e San Marino ($60.3k). Ai vai a pergunta, aonde está a irmandade, a ajuda mútua. Sabemos que Qatar sim extende ajuda em verbas. Infelizmente é para propagar o terrorismo e a violência e não os estudos e a paz.

Print Friendly, PDF & Email