COMPARTILHAR

Na madrugada de 2ª para 3ª feira (4), o Exército de Defesa de Israel (Tsahal) iniciou a Operação “Escudo Nortista”, ao longo da fronteira de Israel com o Líbano. O exército revelou o grande segredo da Hizballah, o da sua rede de túneis defensivos e ofensivos, que partem de vilarejos libaneses em direção a Israel.

No povoado mais ao norte do país, Metula, o EDI iniciou o desmantelamento de um túnel que tem ponto de partida numa fábrica de tijolos (que servia de camuflagem) da aldeia de Kila, com comprimento de 200 metros, dos quais 40 metros no subsolo israelense, a 25 metros de profundidade. A escavação nesta região é mais complicada, pois a região é rochosa. Por outro lado, não há a necessidade de fortalece-lo com concreto.

Esta é uma grave violação ao acordo 1701 firmado após a guerra em 2004, que entre outras proibe a Hizballah de passar o sul do rio Litani, muito menos em armar-se. Para garantir o acordo, a ONU designou a UNIFIL de vistoriar a região e não permitir violações. Mas, no que se refere a ONU, vale o símbolo do macaco: não vi, nem ouvi e não relatei.

O túnel passa a 30 metros de posto da UNIFIL e seus soldados nada viram. Basta notar que ao longo da fronteira há postos de observação, pseudo civis, com bandeiras da Hizballah e que os servem. Há anos que a população israelense da região fronteiriça alertou as autoridades de que ouve barulho de escavações debaixo de suas casas, até os quadros na parede tremem.

Nenhum oficial confirmou, mas os fatos são de conhecimento desde 2014. O ex Ministro da Defesa, Moshe Yaalon, afirmou esta semana que o exército observava em sigilo os trabalhos que Hizballah mantinha em absoluto segredo, conhecido por poucos, desde 2016. Não queriam abrir o jogo antecipadamente.

A Hizballah criou este plano sigiloso de escavação conhecido por apenas muito poucos. Há uma rede de tuneis internamente ao longo da fronteira e há as ofensivas que levam ao território de Israel, que na hora H. deveria surpreender Israel, quando suas tropas terroristas invadiriam Metula ou outro povoado matando e pegando reféns para negociar. O Ministro da Defesa, Benjamin Netanyahu (que é o 1º Ministro e também o Ministro do Exterior, revelou que a idéia da Hizballah era conquistar a Galileia.

Esta organização terrorista foi tão surpreendida com a operação e a revelação israelense, que até o momento, 4 dias depois, ainda não se manifestou. Seu “capo”, Hassan Nassrallah adora se expressar e ameaçar, mas agora está bem no fundo do seu bunker, em Beirute. O prejuízo é no minimo triplo: o da surpresa num eventual combate com Israel, o do dinheiro perdido e o psicológico e moral.

Israel, durante anos adverte o governo libanês de não permitir a expansão da Hizballah no país, que serve de posto e base de vanguarda do Irã, que destruira o país dos Cedros. Para o cúmulo, o Ministro do Exterior do Líbano, condenou a operação israelense-de proteger o seu território- e disse tratar-se de “preparação de Israel para atacar o Líbano”. Ele sabe a realidade e a fragilidade política libanesa, que mesmo mais de 6 meses após as eleições ainda não conseguiu constituir um governo. O Hizballah fortaleceu sua influência politica e agora tem 70 deputados, dos 128, no Parlamento.

A operação Escudo Nortista foi levado a efeito após muitos meses de observação e preparação. Esta operação era tão sigilosa, que mesmo quando levaram tropas de engenharia, acompanhados de blindados, divisão de comando e do Serviço de Inteligência, estes não sabiam a finalidade da ação que teriam. Até agora , eles só agem dentro do território de Israel, para não dar motivo de ataque da Hizballah ou do exército libanês.

O TSAHAL está obstruindo o tunel revelado ao público e mais um outro, que sai de casa civil da aldeia xiita de Ramia. Esta operação deverá durar algumas semanas, para tirar o perigo dos túneis da população da região. Como disse o porta voz militar de Israel, General Ronen Manelis: “o govêrno libanês, seu exército e UNIFIL são os responsáveis pelo o que acontece no Líbano”. O general responsável pela defesa do norte do país, General Yoel Strick levou o Comandante da UNIFIL, o General italiano, Stefano Del Col para ver o túnel e prestar lhe violento protesto, exigindo que suas forças desativem o tunel do lado libanês. No final do dia o General Del Col emitiu nota, que UNIFIL admite que Hizballah violou a Resolução 1701.

No entanto, mesmo com todo o valor psicológico que a fantástica descoberta e destruição dos túneis no Líbano, o verdadeiro perigo que Israel teme enfrentar são os mais de 100.000 misseis que cobrem o seu território. O Secretário Geral da Hamas, Hassan Nassrallah que se declara “guardião do Líbano” e adverte Israel de que se atacar o país do norte se arrependera.

Com o apoio do Irã, Hizballah foi se fortalecendo e na realidade conquistou o Líbano e assim estabeleceu uma base de frente do Irã no Oriente Médio. O Irã que a Russia restringiu suas atividades na Síria, está agora transportando material bélico diretamente para o Líbano, sem passar pela Síria. Israel já apresentou provas de que sabe onde fica a fábrica de misseis precisos.

Em cerimonia realizada ontem (6) no Palacio Presidencial, em Jerusalém foram outorgados distinções a 12 agentes do Mossad que se destacaram neste ano. O premier Netanyahu revelou: “pelos planos da Hizballah, a organização deveria ter agora milhares de misseis precisos mirando Israel. Mas, por vossas ações, só tem algumas dezenas”.

Hizballah é considerada organização terrorista por Israel, EUA, U.E. e até mesmo em alguns países árabes, mas na Europa “sua ala politica” age livremente como se não tivesse ligação ao braço militar. Na Europa usa rede de criminosos que comercializa drogas, vindas da America Latina e da base que tem na Triplice Fronteira. Realiza lavagem de dinheiro que financia atividades terroristas.

O porta voz militar mostrou na 3ª feira (4) um vídeo de uma micro camera introduzida no tunel descoberto. Nele se avistam 2 ativistas da Hizballah chegando para a camara. Quando a vê o primeiro se fasta e a camara se auto destroi. Depois foi revelado que este terrorista é o Imad Azz al Din Pahas, doutor em engenharia mecanica da Universidade de Teerã. É também o Comandante da Unidade de Observação sobre Israel e alta patente da unidade sigilosa dos tuneis. Ele teve treinamento no assunto com os cartéis de drogas do México que escavam junto a fronteira com os EUA.

HISTÓRICA VOTAÇÃO NA ONU

Na madrugada de ontem para hoje (7) foi votada na Assembleia Geral da ONU, moção proposta pelos EUA, de condenar a organização terrorista Hamas pelo lançamento de 500 misseis para o território israelense. 87 países votaram a favor da condenação da Hamas, 57 foram contrários e 33 se abstiveram. Apesar desta maioria a moção não foi aprovada, pois o Kuwait exigiu a maioria de 2/3 e não maioria simples. As resoluções da A. Geral da ONU, são mais declarativas, mas mesmo sem a aprovação, do ponto de vista de Israel é uma grande vitória histórica.

Os países Ocidentais, como os EUA, Israel ,os da União Européia e muitos da America Latina votaram a favor da condenação da Hamas. Não surpreendendo países considerados amigáveis a Israel votaram contra, como a Russia e a China, ou a India que não estava na votação. A Arabia Saudita, que há rumores de aproximação a Israel, votou como os demais países árabes, contra a moção. Com respeito a isso, eu sempre disse que o Conflito é Arabe-Israelense e não Palestino-Israelense, como muitos querem apresenta-lo. Afinal, o Egito e a Jordânia tem relações diplomáticas com Israel e outros países árabes tem certas relações e até compram material israelense, mas sempre votam contra.

O ponto positivo é que países da America Latina votaram a favor da resolução. Entre eles o Brasil, a Argentina, Chile, Colombia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Rep. Dominicana, Panamá, Paraguai e Peru, havia abstenções como a do Equador e El Salvador e contra os evidentes, Cuba e Bolivia. A iniciativa desta resolução foi da Embaixadora americana para a ONU, Nikki Haley, que deixa a seu pedido o cargo no final do ano.É uma grande perda para os EUA e Israel. Sendo grande amiga do Estado Judeu, diversas vezes expressou a verdade sobre o Estado de Israel e neste caso também. “500 vezes este recinto condenou Israel e em nenhuma vez a Hamas… não há nada mais antissemita do que dizer que não dá para condenar o terror contra Israel… a ONU tem dupla estandarte no que se refere a Israel”.Oitenta e sete países votando contra Hamas já é uma grande história na votação da ONU.

ARABIA SAUDITA NEGA ISRAELENSES NO CAMPEONATO DE XADREZ

O tratamento diferenciado a Israel, mesmo de países considerados amigos e de países que recebem ajuda israelense é fato notório, não só nas votações em foruns universais. Quando a mídia foi celebrando que há uma aproximação entre a Arabia Saudita e Israel, vem a triste realidade O Trump usou Israel como pretexto para não agir contra o principe herdeiro da monarquia e o premier Netanyahu, lhe deu o álibi de manter a Arabia Saudita instável se for deposto.

Não há aproximação, há aproveitamento unilateral por parte da Arabia Saudita no que Israel pode lhe ajudar. Por exemplo lhe dar certa proteção anti o avanço do inimigo comum, o Irã, que já luta contra a Arabia Saudita no Iemen. Há também a venda de material , por exemplo de escuta que uma empresa de Herzeliya vendeu a monarquia, para vigiar os passos de opositores e outros.

Quando chega a hora da verdade, em coisas que para nos Ocidentais pareceriam obvios aí vêm a triste realidade. A Arabia Saudita hospedou no ano passado o Campeonato Mundial de Xadrez e ia fazer o mesmo este ano, não o fará. No ano passado a A.S. recusou-se a hospedar enxadristas israelenses e ante o protesto israelense, foi pedido a monarquia que permitisse esta participação.

Ante a recusa da Arabia Saudita, a Federação Internacional de Xadrez sob a presidência do ex vice Primeiro Ministro russo, Arkady Dvorkovich e com o mestre israelense, Emil Sutovsky, conseguiram mudar o local. Ajudou também a declaração do Campeão Mundial da modalidade, o enxadrista norueguês Magnus Carlssen:” não participarei do Campeonato, se os israelenses não participarão”. O campeonato será disputado em janeiro na Russia, com a perda de 1.5 milhão de dolares em prêmios que a Arabia Saudita daria.

CURTAS:

“UM SHMUM” (A ONU É NADA) foi uma frase famosa do saudoso ex Ministro das Relações Exteriores de Israel, Abba Eban, que tinha lingua afiada, já na década de 50’ do século passado. Outro saudoso ex Embaixador de Israel na ONU e ex Presidente de Israel, Haim Herzog, pegou em 1976 a resolução da ONU, que comparava o Sionismo com o racismo e rasgou-o , no pódio da Assembleia Geral. Inúmeras vezes já abordamos o incrível cinismo da Assembleia Geral da ONU em querer distorcer os fatos e negar a realidade. É uma vergonha. Nenhuma pessoa pode dizer que é noite enquanto o sol está no céu (sem se referir aos hemisférios). Quando escurece a noite cai.

Na 6ª feira passada (30) a Assembleia Geral da ONU passou 6 (seis) resoluções anti israelenses, incluindo 2 (duas) que negam a ligação judaica ao Monte do Templo e se refere ao local no seu nome em árabe, Haram al Sharif. É um absurdo total. Até os árabes decentes dizem que o local onde construíram a Mesquita de Omar, em Jerusalém, foi o lugar do antigo templo judeu , que existiu muito antes da introdução do islão. Essa resolução passou por maioria de 148 países, contra apenas 11 e 14 abstenções. Só Israel, EUA, Canada, Australia, Ilhas Marshall, Micronesia e Nauru tiveram a decência e votaram contra as 6 moções. Só neste ano a Assembleia Geral da ONU adotou 20 resoluções acusando Israel de discriminação. Esta que não é capaz de censurar a Hamas nenhuma vez.

CIDADES RICAS, CIDADES POBRES. A Agência Central de Estatísticas de Israel, publicou (28.11) o índice social economico das cidades de Israel, referente a 2015. O menor índice é o #1 e o maior é #10. Os dados mostram que a Capital, Yerushalaim está caindo, com o aumento da população religiosa e hassidica. De 2004 para cá caiu do nível de 5 para o nível da categoria 2. Neste nível se encontram também as cidades de Bnei Braq, Beit Shemesh, Elad Zafed e Rechasim. Todos estes com grande população de religiosos e haredim (ultra ortodoxos). O melhor índice (10) tem Savion, Kfar Shmaryahu e Arsuf. Das grandes cidades, Ramat Gan e Tel Aviv estão em bom lugar(8), Holon, Haifa, Rehovot, Petah Tiqva e Rishon LeTsion (7), Natania (6), Bat Yam, Ashkelon e Beer Sheva(5).

ALISTAMENTO MILITAR. Em novembro há alistamento obrigatório para Tsahal. Há outro em maio. Nesta ocasião o Exército de Defesa de Israel (EDI) permite dar uma olhada nos recrutas que entraram há 3 anos e estão deixando o serviço militar. A exceção são os que continuam profissionalmente. As cidades que mais se destacaram foram:

Lugar % de Alistamento Combatentes Oficiais
Modiin-Macabim Reut 1 88.9% 57.4% 15.3%
Givat Shmuel 2 91.6% 47.2% 12.9%
Hod Hasharon 3 91.2% 47.8% 12.8%
Ness Siona 4 91.2% 48.9% 9.8%
Kfar Yona 5 89.2% 53.8% 8.5%
Rosh Haain 6 87.0% 54.4% 12.0%
Maale Adomim 7 89.1% 49.7% 4.8%
Givataim 8 91.6% 41.0% 8.2%
Raanana 9 83.0% 53.6% 10.7%
Ariel 10 86.5% 53.2% 3.7%

Entre as jovens que se alistaram destacaram se as cidades de Givataim (87.4%), Hod Hasharon (86.6%), Ness Siona (86.2%), Modiin, Macabim-Reut (82.5%), Kiriat Ono (81.8%), Ramat Hasharon (85.2%), Yokneam-Ilit(81.8%), Yahud, Neve Monsson (82.1%), Kfar Saba (80.7%) e Herzeliya (82.5%)
Que retornem a seus lares sãos e salvos, sabendo que defenderam a sua pátria.

O INVERNO VEIO COM TODA A FORÇA. Desde ontem Israel está sendo assolada por uma frente fria que também trouxe chuvas torrenciais que caem em todo o país. De um ponto de vista, isto é muito bom para este país seco e que lhe falta muita água. O lago da Galileia (Kineret) está num nível de cerca de 6 metros abaixo do seu nível máximo. Do outro ponto de vista enxurrada chegando de uma vez causa transtornos. Estradas interditadas, semáforos paralisados, corpo de bombeiros retirando pessoas quase afogando nos carros parados nas “lagoas” dos pontos baixos das ruas, árvores derrubadas. Até penso nos soldados que estão em toda parte , principalmente os do norte do país, onde é mais frio e encharcado. No Monte Hermon, bem perto das operações contra os tuneis começou a nevar. Ainda bem que a população local lhes leva comida caseira (além da militar) e lhes dá o aconchego e calor do Lar.

Print Friendly, PDF & Email