COMPARTILHAR

por Rabino Jonathan Sacks – Parabenizo a decisão americana de reconhecer Jerusalém como capital de Israel, cujo nome significa “cidade da paz”. Este reconhecimento é um elemento essencial para qualquer paz duradoura na região.

Ao contrário de outros guardiães da cidade, desde os romanos até os cruzados e a Jordânia entre 1949 e 1967, Israel tem protegido os locais sagrados de todas as três fés abraâmicas, Judaísmo, Cristianismo e Islã e garantido acesso a eles. Hoje, Jerusalém permanece como um dos poucos lugares no Oriente Médio, onde judeus, cristãos e muçulmanos podem rezar em liberdade, segurança e paz.

A negação promovida, em muitas partes do mundo, da conexão judaica com Jerusalém é desonesta, inaceitável e um elemento chave na recusa em reconhecer o direito do povo judeu de existir na terra de suas origens. Mencionada mais de 660 vezes na Bíblia hebraica, Jerusalém foi o coração vivo da fé judaica mais de mil anos antes do nascimento do Cristianismo, e dois mil e quinhentos anos antes do nascimento do Islã.

Desde então, embora dispersos pelo mundo, os judeus jamais deixaram de rezar sobre Jerusalém, ficar de frente para Jerusalém, falar o idioma de Jerusalém, lembrar dela em todo casamento que celebraram, em toda casa que construíram, e nos momentos mais elevados e sagrados do ano judaico.

“Na entrada do prédio das Nações Unidas em Nova York, há uma parede com as famosas palavras de Isaías: ‘Ele julgará entre as nações e resolverá disputas para muitos povos. Eles transformarão suas espadas em arados e suas lanças em ganchos de poda. Nação não levantará espada contra a nação, nem mais treinarão para a guerra.’ Muitas vezes, as nações do mundo esquecem as palavras que imediatamente precedem essas: ‘ Pois de Sion sairá a Lei, e a palavra do Senhor de Jerusalém.”

Essas palavras, ditas há vinte e sete séculos, permanecem como a maior de todas as preces pela paz, e são a melhor esperança da humanidade pela paz no Oriente Médio e no mundo.

via Beit Lubavitch Rio de Janeiro