COMPARTILHAR
Relógio iraniano do dia do juízo final com contagem regressiva para a destruição de Israel.

Em 1974, o segundo tenente Hiroo Onoda que servia no Exército Imperial Japonês ainda lutava pelo imperador escondido em uma selva filipina. Ele rejeitou inúmeras tentativas de ser notificado da rendição do Japão ocorrida 29 anos antes. Nesses longos anos ele, desatinadamente, assassinou mais ou menos um filipino e feriu outros três a cada ano. Só depois de um esforço concentrado, seu ex-comandante finalmente convenceu Onoda de que o imperador aceitou a derrota em 1945 e que, portanto, ele também deveria depor as armas.

Os palestinos da Cisjordânia e de Gaza são o Onoda, em larga escala. Eles reconheceram formalmente que foram derrotados por Israel 24 anos atrás, quando Iasser Arafat, no Jardim da Casa Branca, reconheceu “o direito do Estado de Israel existir em paz e segurança”. O problema é que o próprio Arafat não aceitou de maneira honesta e sincera a rendição, além do fato dos palestinos, em sua maioria, terem-na rejeitado.

Leia AQUI o artigo completo…

Print Friendly, PDF & Email