COMPARTILHAR

Rabino Dr. Ruben Sternschein recebeu o Ministro Dias Toffoli para um diálogo do pensamento judaico com a Justiça Brasileira

O que é justiça? Qual a diferença entre justiça, retidão, ética e bem? Existe uma justiça absoluta? Quais os condicionamentos e as limitações dos juízes e dos julgamentos humanos? Quais são os deveres e os limites da responsabilidade de intervenção do judiciário?

Para debater esses importantes temas, a Congregação Israelita Paulista (CIP) realizou, nesta quarta-feira, 17 de abril, o evento “Desafios Contemporâneos”, com o tema “Justiça e Julgamentos, um diálogo do pensamento judaico com a Justiça Brasileira”, no qual o Rabino Dr. Ruben Sternschein recebeu a ilustre presença do Ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal. (STF).

Durante quase uma hora, Toffoli prendeu a atenção da plateia com sua trajetória pessoal e profissional e destacou suas ligações com a comunidade judaica “tenho raízes judaicas por conta da minha mãe, cujo sobrenome é Seixas, uma família de origem judaica e que foi forçada a se converter ao cristianismo na Península Ibérica”.

O Ministro também ressaltou a importância da conciliação, do diálogo e da liberdade de expressão, os quais, segundo ele, não podem servir à alimentação do ódio e da intolerância, e cujo uso abusivo coloca em risco as conquistas da Constituição de 1988.

“O diálogo é extremamente importante e faz parte dos fundamentos judaicos e da nossa história de herança ocidental. Esse diálogo sobre direito, justiça, assim como a tradição judaica, influenciaram o Ocidente e também a área do Direito”, frisou Toffoli.

“Acho muito importante a comunidade ouvir o presidente do Supremo Tribunal Federal, e saber como pensa o presidente de um dos poderes desse país. Acho bom termos a visão do que ele imagina para o futuro, especialmente em um momento tão delicado como o que estamos vivendo”, disse o advogado Roberto Podval.

“O judaísmo liberal da CIP se assume desde a sua fundação como um judaísmo que dialoga com a realidade, com a vida, com a sociedade civil e com os desafios contemporâneos. O evento de hoje foi mais um passo nesse sentido. Na psicologia judaica, no Talmud e na bíblia, os conceitos de justiça e de julgamento precisam conversar com a justiça brasileira e por esse motivo realizamos o debate com o Ministro Dias Toffoli”, acrescentou o Rabino Ruben.

“Para nós, as liberdades democráticas e suas instituições são inegociáveis.” tempos como estes, quando a polarização prevalece e a sociedade perde sua capacidade de dialogar, muito nos preocupam. A CIP é avessa aos dogmas e afeta ao diálogo respeitoso tendo, como objetivos primordiais, o melhor entendimento entre as partes e o bem comum”, finalizou o presidente da CIP, Marcos Lederman.

Print Friendly, PDF & Email