COMPARTILHAR

Todo empreendedor sabe como é difícil lançar uma startup e arrecadar dinheiro de investidores. Agora imagine o quanto isso é difícil quando o empreendedor tem um bebê chorando e gritando ao seu lado. Mas para uma startup específica, bebês chorando e gritando faz parte do negócio.

“Eu poderia estar sentado num bar com os amigos ou com a família mostrando como o meu produto funciona, e depois o choro ia começar”, diz o CEO e fundador da Evoz, o Avishai Shoham. “É engraçado ver a reação das pessoas.” Engraçado, porque é quando o choro começa que o financiamento começa a aparecer para a nossa startup.

Recentemente a Evoz lançou seu serviço de monitoramento de bebês, ou melhor, uma babá eletrônica inteligente que funciona através do iPhone. E este foi um grande dia para Shoham, que é um jovem pai de dois filhos e um MBA em Stanford. Ele passou os últimos dois anos desenvolvendo uma babá-eletrônica[bb] inteligente que funciona no iPhone e que identifica o choro da criança. A companhia é financiada por amigos e familiares, e alguns “angel investors”. A invenção da Evoz representa uma grande melhoria para o setor, que teve pouca inovação nos últimos tempos. “Muito pouca inovação”, alerta Shoham.

Segundo Shoam, o limite de alcance e o fato de ter que carregar um pedaço de plástico pra cima e pra baixo são dois inconvenientes das atuais babás-eletrônicas. Ninguém quer levar uma babá-eletrônica na bolsa, mas estas mesmas pessoas que reclamam já carregam seus celulares. A terceira desvantagem são os ruídos das babás-eletrônicas que, além de serem chatos, pode chegar a causar interferências nas redes Wi-Fi[bb].

O sistema da Evoz requer dois dispositivos IOS. Esta é uma ótima maneira para os pais usarem os seus iPhone como babás-eletrônicas, principalmente os iPhones velhos e desatualizados e não mais utilizados no dia-a-dia. O usuário também pode comprar um receptor que se conecta ao wi-fi. O aplicativo pode enviar uma mensagem ou emitir um som depois que o bebê chora por mais de 30 segundos. No momento o aplicativo permite apenas transmissão de áudio e provavelmente venha a oferecer vídeo no futuro. “Nosso produto é diferente de outros sistemas de monitoramento on-line, uma vez que este é projetado especificamente para os pais”, diz Shoham.

Ele aprendeu que a maioria dos pais, especialmente as mães, usam iPhones[bb]. Com base em relatórios e estatísticas, ele descobriu que dois milhões de mães com crianças de zero a quatro anos de idade usam iPhones. Shoham ainda não conseguiu localizar estatísticas específicos sobre usuários do Android, mas acredita que com base em seu teste e interação com os pais, o número de usuários está crescendo rapidamente. Ele diz que seu sistema terá uma versão para Android nos próximos meses.

Ao contrário dos monitores que alertam o usuário quando qualquer ruído acontece, o monitor da Evoz compreende a diferença entre um grito, um choro e um barulho de fundo, graças ao seu algoritmo. Shoham e seus colaboradores estudaram os sons de choro de centenas de crianças reais, de diferentes etnias e idades. Ele testou os choros com música de fundo, com ruído de tráfego de carros e outros sons perturbadores. Shoham relembra os dias em que ficou ouvindo choros sem parar com uma risada. Agora são seus investidores que usam o produto. “Um dos nossos angel-investors tem dois filhos pequenos”, diz Shoham. “Ele usa o monitor o tempo todo. Quando ele está em viagem de negócios, ele usa para ficar conectado com seus filhos. Ou seja, há mais de um tipo de uso para este aplicativo”.

Outra característica do aplicativo da Evoz é que ele mantém o controle de quando e quantas vezes a criança chora e depois compara os dados e faz um estudo com as informações obtidas. Shoam trabalhou com médicos e especialistas do sono para saber o feedback do produto e de que forma ele poderia ajudar os pais. Esta informação fez da Evoz a única empresa do setor que tem que um produto com esta característica.

O aplicativo já está disponível na Apple Store. As duas primeiras semanas de serviço são gratuitas para testes e após este período o produto tem um custo de U$ 6,99. O serviço ainda está em versão beta para que os próprios usuários possam ajudar a Evoz a melhorar o produto.

Visite AQUI o site da empresa.
Baixe AQUI o aplicativo.

fonte: Venturebeat.com
tradução: Gustavo Erlichman

Print Friendly, PDF & Email

Comentários

  1. Este israelense fez um trabalho e tanto. Fiz isso aqui em casa utilizando webcams wireless como babás eletrônicas. Assim posso monitorar meus filhos de qualquer lugar que estiver. Mas nada eficiente ou parecido como este programa babá eletrônica aí acima!