COMPARTILHAR

Muitos de nós já ouvimos esse mote, mas, hoje se torna fundamental não o deixarmos passar de vista: “Israel can only count with itself”, ou “Israel só pode contar consigo mesmo”. Duas complexas movimentações recentes do principal aliado de Israel no Oriente Médio, os Estados Unidos, colocaram sob alerta a segurança nacional israelense.

Em primeiro lugar, em outubro do ano passado, o presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou a retirada das tropas dos EUA do norte da Síria alegando que esta era uma luta “interminável” que nada tinha a ver com os interesses americanos na região reforçando seu caráter “não intervencionista” alardeado pela sua campanha em contraponto aos democratas.

Com esse movimento, Trump deixou Israel numa das mais delicadas situações geopolíticas e territoriais desde a Guerra de Yom Kippur, uma vez que – com a presença das tropas americanas – a região curda estava livrando-se das células do grupo terrorista Estado Islâmico e afastando as tropas – terroristas de Estado – do Irã, a Al Quds. Longe da Síria, por sua vez, longe das fronteiras israelenses.

Contudo, o que parecia um êxito em termos de intervenção internacional democrática tornou-se uma ameaça ao Estado de Israel, uma vez que Turquia passou a atacar as tropas curdas – antes aliadas dos EUA – para impedir que eles formem seu longamente desejado Estado. Com a retirada norte-americana e os ataques turcos na região, as Forças Democráticas Sírias (FDS, grupo formado por milícias de sírios curdos, árabes, assírios, armênios, turcos e circassianos) alertaram o reativamente de células do Estado Islâmico na região e a penetração pioneira de tropas da Al Quds ao norte do país. Nunca antes tão próximas às fronteiras israelenses.

Em mais um episódio da política externa norte-americana, este ainda mais recente e num cenário de escalada da hostilidade na relação entre EUA e Irã, o Presidente Donald Trump autorizou um ataque aéreo em solo iraquiano matando o General Qassem Soleimani, líder da força terrorista de Estado, Al Quds, considerado o “número 2” na ditadura iraniana e, então, cogitado para suceder o líder supremo do país Ali Khamenei.

Essa decisão sem precedentes no cenário internacional – uma vez que, embora a ficha corrida do general terrorista não seja modesta e seu envolvimento em diversos ataques terroristas seja comprovado, um ataque de um país democrático em território estrangeiro sem uma ameaça comprovada eclodiu em, pelo menos, dois movimentos: 1) pressão interna das forças políticas oposicionistas norte-americanas para a retirada das tropas do país do Iraque; 2) a promessa de revanche e vingança do Irã contra os Estados Unidos, suas instalações e aliados na região.

Ao que parece, Israel está acompanhando como um observador à escalada de hostilidade sem precedentes com inimigos poderosos à sua porta. Num cenário onde a cada dia, um novo episódio vem se somando a este complexo cenário, os Estados Unidos comunicaram e – pouco menos de 24 horas – desmentiram a retirada de suas tropas – desta vez – do Iraque, que deixaria o país livre para a entrada da Al Quds. Em outras palavras, terroristas perigosos nunca antes tão próximos de Israel.

Em que pese, previsões sejam difíceis neste complexo cenário geopolítico, é fato que a sobrevivência do Estado judeu é alvo histórico dos grupos e Estados terroristas da região e, sob essa premissa, a resposta do Irã ao ataque norte-americano – se vier – deve tomar lugar ai mesmo na região devendo colocar Israel em alerta máximo de segurança. Neste tenso cenário de incertezas e aumento de hostilidades, os EUA – nosso principal aliado – ensaia mais uma retirada de tropas forçando Israel a recordar-se: Israel can only count with itself. Atentemo-nos.”

Print Friendly, PDF & Email