COMPARTILHAR

Diretora do Instituto Davidson visita São Paulo e destaca a importância de divulgar a ciência para todos.

A Dra. Liat Ben David, diretora do Instituto Davidson de Educação em Ciências do Instituto Weizmann de Ciências, visitou São Paulo na primeira quinzena de outubro, onde participou de eventos e reuniões com escolas e instituições vinculadas à educação.

Ela participou de um painel sobre “Diálogos entre Universidade e Escola”, em parceria com a FEBRACE-USP, representada pela pesquisadora Roseli de Deus Lopes, na Escola Alef-Peretz. O evento contou com a participação de representantes de diversas escolas e instituições de São Paulo, Rio Grande do Sul, Porto Alegre e Rio de Janeiro, que puderam trocar conhecimento e conhecer as experiências do Weizmann e da FEBRACE-USP.

Em Israel, a Dra. Ben David é uma referência nacional no quesito Educação, desenvolveu currículos de ciências para escolas primárias e secundárias, escreveu quase 20 livros texto em vários campos de estudo, criou o Centro para o Conhecimento e Aprendizado para profissionais que trabalham com jovens em situação de risco e agora é uma entusiasta em redirecionar a Educação. “Não precisamos de mais uma reforma educativa, o que precisamos é de uma revolução”, propõe.

“Queria trabalhar com pessoas e não com tubos no laboratório”, responde de maneira simples quando é questionada a propósito de ter abandonado a vida de cientista (obteve o seu PhD na área da Biologia Molecular no Instituto Weizmann), e ter começado a estudar educação vinte seis anos atrás. Esse aprendizado nunca parou, segundo ela, porque a educação “é uma profissão multidisciplinar fascinante em evolução continua”.

A Dra. Ben David critica o sistema educativo atual, o qual ela considera rígido demais e altamente padronizado, e se opõe a que a escola continue a aportar aos alunos fatos e números que hoje estão disponíveis de graça. Assim, com energia de militante, fala de redirecionar a educação. “Precisamos de uma mudança de paradigma”, propõe com entusiasmo. O caminho que ela enxerga para um futuro melhor é um tripé: conhecimento ativo, contação de histórias e socialização.

Instituto Davidson de Educação em Ciências, que ela dirige, é fonte de inspiração e inovação através de mais de 70 programas para alunos, professores e acadêmicos da área de educação, membros do governo e público do mundo todo.

Para os que moram em Israel, o Instituto Davidson possui o Garden of Science, que recebe pessoas de todas as idades, e conta com programas interativos específicos. Pertence também ao Instituto Davidson o programa da Escola de verão internacional, que já recebeu mais de 70 brasileiros desde o ano 1982, e os programas Science by mail e Math by Mail, com atividades on line e que há anos conta com participantes do Brasil.

A Dra. Ben David se empolga quando fala de um outro projeto internacional mais recente, o Safe cracking tournament, a edição deste ano envolve equipes de 17 países e terá seletivas no Canada, Panamá, Reino Unido e Eslovênia. Nele, cada time de até cinco alunos, tem que descobrir como abrir um cofre e para isso tem que quebrar um código baseado em diferentes princípios de física.

Convencida de que a ciência não é feita de fatos, mas sim uma maneira de viver, ela reforça importância de divulgar a ciência para todos, e não apenas aos que pretendem se tornar cientistas.