COMPARTILHAR

A exposição temporária “Holocausto – Trevas e Luz” é sucesso de visitação no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, desde sua abertura ao público, em 26 de julho. Realizada numa parceria entre Museu do Amanhã, Museu do Holocausto de Curitiba e a prefeitura do Rio, a mostra se utiliza do exemplo da Shoá para reforçar a importância da convivência pacífica, que tem como base o respeito às diferenças.

A exposição

Três módulos compõem o trabalho, exposto na Galeria do Tempo. No primeiro, o visitante encontra uma cenografia temática, composta por fotografias, peças e objetos da época, um convite à reflexão acerca da tragédia. Já na segunda etapa, destaca-se a capacidade de superação do ser humano, com uma homenagem aos “Justos entre as nações”, honraria concedida àqueles que correram riscos para salvar judeus durante a Shoá. Por último, desenhos e textos desenvolvidos por alunos de escolas públicas abordam o significado de se revisitar o passado para construir um amanhã mais justo.

“Nesse triste período da história prevaleceram as piores características humanas, como o ódio, a intolerância, o racismo e o preconceito. Apesar das mudanças e evoluções entre as relações humanas, continuamos, inclusive no Brasil, a repetir tais atitudes. Esperamos que a escuridão do Holocausto sirva como um farol para iluminar o futuro da humanidade”, destacou o diretor de Conteúdo do Museu do Amanhã e curador da exposição, Alfredo Tolmasquim.

Abertura

“Holocausto – Trevas e Luz” foi inaugurado em 25 de julho com a presença de lideranças governamentais, integrantes da comunidade judaica e a imprensa. Estiveram presentes o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella; a secretária municipal da Cultura do Rio de Janeiro, Nilcemar Nogueira; o presidente da Federação Israelita do RJ, Herry Rosenberg; o cônsul honorário de Israel no Rio, Osias Wurman; a secretária municipal de Assistência Social e Direitos Humanos, Teresa Bergher; o presidente da B’nai B’rith Brasil, Abraham Goldstein; o vice-presidente da FIERJ, Claudio Goldemberg; os sobreviventes Mira Gutfilen, Freddy Glatt e Alfredo Sobotka, além do coordenador-geral do Museu do Holocausto de Curitiba, Carlos Reiss.

Carlos Reiss dedicou-se durante meses à concepção da mostra, tanto como consultor quanto como elo entre as duas instituições. O Museu do Holocausto de Curitiba, primeiro e único do gênero no país, é um dos parceiros da exposição. A partir da memória de vítimas e sobreviventes da Shoá, o espaço incentiva seus visitantes a lutar contra o ódio, a intolerância, o racismo e o preconceito. “Falar sobre Shoá significa transmitir lições e valores às novas gerações, fazendo sentido nos dias de hoje. O Holocausto deve ser utilizado como ferramenta educativa na construção de um presente e um futuro digno e justo para todos”, pontuou.

Serviço
Holocausto ‘Trevas e Luz’
Museu do Amanhã – Praça Mauá 1, Centro. Rio de Janeiro – Galeria do Tempo – 2º andar
Período: de 26 de julho a 15 de outubro de 2017
Funcionamento: De terça-feira a domingo, das 10h às 18h (com encerramento da bilheteria às 17h)
Ingressos: A mostra temporária está incluída no valor da entrada para o Museu.
Inteira: R$ 20,00; ?Meia-entrada: R$ 10,00
Mais informações:
Tel.: (21) 3812-1800

www.museudoamanha.org.br
www.museudoholocausto.org.br