COMPARTILHAR

birkenau-402324_640

Pela primeira vez na capital federal as Embaixadas de Israel, Canadá e Delegação da União Europeia no Brasil, irão promover o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, a ser realizado no próximo dia 15 de março no Auditório da Câmara Legislativa do Distrito Federal– CLDF, às 19h. A solenidade terá como grandes homenageados os diplomatas brasileiros Luis Martins de Souza Dantas e Aracy Carvalho de Guimarães Rosa, ambos reconhecidos com o título de “Justos entre as Nações”, distinção concedida àqueles que que tiveram participação ativa ajudando judeus a escaparem das forças nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

Com o propósito de fortalecer ideiais democráticos e condenar toda manifestação de incentivo à perseguição, ao ódio e a violência; além de destacar a importância do legado para as futuras gerações, prestigiarão o evento altos dignitários da política brasileira local e nacional, assim como o Governador do Distrito Federal Rodrigo Rollemberg, o presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal, Deputado Joe Valle, o Vice-Ministro das Relações Exteriores, Marcos Galvão, representando o Itamaraty, além de embaixadores, diplomatas e membros da sociedade civil em geral.

A entrada do auditório abrigará a exposição “A angústia da Libertação Expressa na Arte”, baseada na coleção do Museu de Arte do Yad Vashem. A mostra apresenta trabalhos realizados entre 1945 e 1947 e tenta explicar como sobreviventes reagiram à libertação através da arte. Para a maioria desses artistas-sobreviventes, a possibilidade de pintar significava voltar a ser livre e independente. Alguns dos artistas são Thomas Grave, Samuel Bak e Endre Bálint.

O sobrevivente Siegfried Glatt, 89, conhecido como Freddy Glatt, virá a Brasília para participar da cerimônia e dar seu relato vivo sobre os tempos sombrios do holocausto. Freddy nasceu em Berlim e perdeu sua família nos campos de concentração. Antes de chegar ao Brasil e refazer sua vida ao lado de sua esposa Beth, ele peregrinou por Antuérpia e Bruxelas durante os primeiros anos de fuga da Alemanha. Glatt está escrevendo um livro sobre sua história intitulado “Roubaram minha infância – Como sobrevivi ao Holocausto”.

Em momentos de manifestações crescentes de intolerância em diversas partes do mundo, o compromisso de cada nação e lutar pelo continuo aprimoramento dos instrumentos de proteção dos direitos humanos como legado para as futuras gerações.

Serviço:
Data: 15 de março / Horário: 19hs
Local: Câmara Legislativa do Distrito Federal – CLDF