COMPARTILHAR

A tradicional cerimonia do 27 de janeiro este ano foi realizada em local de significativo capital simbólico para a comunidade judaica, o “Monumento aos Pracinhas”, no Parque do Flamengo – RIO. Alem da data instituida pela ONU em 2005, foram comemorados os 75 anos do desembarque das tropas brasileiras na Itália.

O evento foi promovido pela CONIB e FIERJ, contando com substantivo apoio logistico da Administração do Monumento, da Diretoria do Patrimonio Historico e Cultural do Exercito, Museu Historico do Exercito (Forte Copacabana), Comando Militar do Leste, 1º. Distrito Naval e Comando da Aeronáutica.

Alem do Governador Wilson Witzel e Prefeito Marcello Crivela compareceram oficiais-generais das 3 Forças, ex-combatentes da 2ª. Guerra Mundial, brasileiros, franceses, russos e poloneses, e sobreviventes do Holocausto. O mundo político e diplomático se fez representar, por deputados, vereadores, embaixadores e consules de diversos paises. Associações de veteranos e pesquisadores de historia militar participaram, envergando fardas de época.

A solenidade foi aberta pelo Mestre de Cerimonias Sergio Napchan com a entrada dos estandartes de todas as unidades terrestres, navais e aéreas brasileiras que participaram da 2ª. Guerra Mundial, sob os aplausos do grande publico que lotou o local, estimado em mais de 200 pessoas. Foi uma singela homenagem às Forças Brasileiras de Terra, Mar e Ar, que junto aos Aliados lutaram para que a guerra chegasse ao fim, significando a interrupção do Holocausto, conforme a contextualização do evento apresentada por Israel Blajberg, da Diretoria de Cultura da FIERJ.

usaram da palavra ANA ROSA REIS, da ONU, FREDDY GLATT, PRESIDENTE DA SHERIT HAPLEITÁ, OSIAS WURMAN, CONSUL HONORÁRIO DE ISRAEL, ARNON VELMOVITSKY, PRESIDENTE DA FIERJ, FERNANDO LOTTENBERG, PRESIDENTE DA CONIB, PREFEITO MARCELO CRIVELA E GOVERNADOR WILSON WITZEL, seguindo-se a entrega da Plaqueta General Moyses Chahon, Herói da FEB, aos ex-combatentes e autoridades presentes. 6 velas foram acesas por representantes das comunidades vitimadas no Holocausto.

Como é tradição nos eventos realizados no Mausoléu, foi feita uma aposição de flores sobre 15 tumulos de Soldados Desconhecidos, e de coroas em memoria dos soldados desconhecidos que tombaram na 2ª. Guerra Mundial, pelo Governador Witzel, Presidente da CONIB Fernando Lottenberg, Presidente da FIERJ Arnon Velmowitzki, Almirante de Esquadra Leonardo Puntel e Coronel Amerino Raposo, ex-combatente mais antigo. Outra coroa foi aposta pelo Embaixador da Federação Russia Sergey Akopov e pelo sobrevivente do Cerco de Leningrado Eduard Ishakewitz. O Toque de Silencio encerrou a homenagem.

Um áudio com mensagem do Presidente Jair Bolsonaro foi apresentado, emocionando o público presente.

Para homenagear os Justos Entre as Nações, foi escolhido o Consul Chiune Sugihara, cuja historia de vida foi apresentada pela Diretora de Cultura da FIERJ Sofia Debora Levy. O Consul Ken Kendo agradeceu em nome do Japão pela lembrança.

A cerimonia foi encerrada com a execução do Hino dos Partisans e da Canção do Expedicionário, pela Banda de Música da Escola de Sargentos de Logistica, acompanhada pelo Coral Israelita Brasileiro, sob a regencia do Maestro Abrahão Rumschinski.

À saida, o público cobriu os quase 500 tumulos de soldados brasileiros com pétalas de flores, lembrando aqueles que não voltaram, fazendo o sacrificio da própria vida.

A presente cerimonia abre as comemorações dos 75 anos do desembarque das tropas brasileiras na Itália, ocorrida em 1944. Foi tambem um evento especial, por reunir todas as unidades brasileiras que combateram na 2ª. Guerra Mundial, inclusive a Marinha Mercante.

fotos: DNIGRIS – BY RICARDO NIGRI – MARIMBONDO

Print Friendly, PDF & Email
COMPARTILHAR
Artigo anteriorO Canudinho e Brumadinho
Próximo artigoO Clipping do dia
Israel Blajberg
Há 10 séculos seus antepassados paternos saíram de Bleiberg, na Carinthia (Áustria), firmes como o chumbo (Blei) e imponentes como a montanha (Berg), entrando na Polônia sob o Grande Rei Kazimierz. Teve a honra de ser o primeiro Blajberg nascido no Brasil (Rio de Janeiro, 1945), estando hoje a família na terceira geração verde-e-amarela. Professor da UFRJ e UFF e Engenheiro do BNDES, aposentado em 2015. Palestrante e Autor de livros e artigos sobre Historia do Brasil, Militar, Judaica, Genealogia e Viagens. Membro das Ordens do Mérito da Defesa, Naval, Militar e Aeronáutico, e Medalha Pro-Memoria da Republica da Polônia.