COMPARTILHAR

Estão abertas as inscrições para o mini-curso “O nazismo, os campos de concentração e as vítimas do Holocausto, 1933-1945”, que será realizado de 10 a 12 de setembro durante o Congresso da ANPUH. O Congresso ocorre de 8 a 12 de setembro de 2008 no Depto de História – FFLCH/USP (Cidade Universitária – Campus Butantã).

De 1933 a 1945, a política de Estado do nacional-socialista foi caracterizada pela arbitrariedade e desumanidade de suas ações, em especial, por perseguições sistemáticas, prisões, tortura, encarceramento em campos de concentração, trabalho forçado, e durante a guerra, assassinato em massa e o genocídio de judeus, ciganos e eslavos. Essa política seguia critérios estabelecidos pela doutrina racial e ideológica nazista, pela “expansão do espaço vital” e por interesses econômicos. Nesse contexto, os campos de concentração, onde pereceram cerca de 75 milhões de pessoas, representam um dos fundamentos constitutivos do sistema nazista.

O universo concentracionário abarcou diferentes tipos de campos ao longo do período nazista, por isso, falamos também em “universo concentracionário, que definimos a partir de três aspectos que entendemos como centrais: repressão política, assassinato em massa e brutal exploração de trabalho forçado de prisioneiros, incluindo o “extermínio pelo trabalho”. Segundo a historiografia européia e israelense, o complexo concentracionário é classificado de duas maneiras: 1) levando-se em contra exclusivamente os campos de concentração e extermínio, houve mais de 20 campos com mais de 1.200 campos menores, denominados de Außenkommandos; 2) levando-se em conta todo o complexo concentracionário, estima-se ter havido mais de 10 mil campos, contando aqui as prisões e campos de prisioneiros de guerra, os campos de trabalho forçado e os guetos.

A política nazista, fortemente anti-semita, vitimou inicialmente os opositores políticos alemães (em especial comunistas e social-democratas) e posteriormente também judeus, ciganos, negros, homossexuais, doentes físicos e mentais e testemunhas-de-jeová. As maiores vítimas foram os quase seis milhões de judeus assassinados durante o regime nazista, o que representava 66% da população judaica da Europa e um terço da população judaica mundial. Segundo o Tribunal de Nürenberg, 275 mil alemães considerados doentes incuráveis foram executados em centros de extermínio, algumas pesquisas recentes falam, no entanto, de 170 mil.

Também foram assassinados 500 mil ciganos, o que representava metade da população cigana da Europa do período. O regime nazista também assassinou 1,5 milhão de inimigos políticos, 3 milhões de prisioneiros de guerra, 20 milhões de russos (centenas desses incluídos na categoria de inimigos políticos e prisioneiros de guerra), 600 mil sérvios, 200 mil poloneses, 200 mil maçons, 5 mil testemunhas de Jeová. O número de vítimas negras e homossexuais é de difícil estimativa até hoje, mas algumas pesquisas falam em 15 mil homossexuais assassinados. É a partir da análise das vítimas do nazismo e do universo concentracionário que pretendemos analisar o regime nazista e o fenômeno do Holocausto a partir de fontes e da historiografia européias e israelense.

– – – – – – – – – –

Proponente:

Ania Cavalcante (doutoranda em História Econômica na USP, Professora e pesquisadora do modulo “Holocausto e Anti-semitismo” do Laboratório de Estudos sobre Intolerância da USP, estagiária do curso sobre Holocausto no Departamento de Literatura Hebraica da USP ).

O conteúdo programático do curso é divido em três módulos centrais:

1) O universo concentracionário de 1933 a 1945: os tipos de campos de concentração.
2) Análise da maioria das vítimas do Holocausto e as motivações de sua perseguição: judeus, ciganos, eslavos, homossexuais, deficientes físicos e mentais.
3) Os campos de extermínio e os três genocídios perpetrados pelos nazistas e seus colaboradores: a “Solução Final da Questão Judaica”, “Solução Final da Questão Cigana” e o extermínio de eslavos.

– – – – – – – – – –

Mais Informações:
Fone/Fax da ANPUH: 11-3091-3047
E-mail: anpuh@usp.br
Clique AQUI para visitar o site do congresso

Print Friendly, PDF & Email

Comentários

  1. Muito importante, pois relembrar os fatos de crimes contra a humanidade, como o nazismo,para que as novas gerações os conheçam é uma forma de não deixar que estes fatos horripilantes se repitam no futuro da História da humanidade, com nenhum povo.