COMPARTILHAR

Anteontem foi um dia muito emocionante em Israel. A noticia correu rápido como fogo em palha, o corpo do primeiro sargento Zacaria Baumel que caiu na Guerra do Líbano em 1982, finalmente retornou a Israel, para ser decentemente enterrado. Durante todo este tempo de 37 anos, Zacaria foi considerado desaparecido e Tsahal (O Exército de Defesa de Israel- EDI) não mediu esforços para descobrir o seu paradeiro e trazê-lo de volta para seu país.

O Serviço de Inteligência do EDI, com o Shabak e o Mossad, se empenharam colhendo informações de todos os lados, tentando fechar todas as peças deste quebra cabeças. Nos últimos 2 anos souberam que o soldado estaria enterrado na Síria, mais precisamente, no cemitério do campo de Yarmuk, próximo de Damasco.

Por motivos obvios, o EDI economiza muito nas informações que fornece, para não revelar métodos e fontes de informações. Só sabe-se que há cerca de 2 anos, houve um grande avanço nas buscas. O Coronel A. do Serviço de Inteligência empenhou-se de corpo e alma, com o objetivo de trazer o tanquista para seu último repouso, em Israel.

Não há no mundo , exército que durante décadas esteja empenhado para saber o paradeiro de soldados que serviram a pátria, desaparecidos e trazê-los para que tenham um enterro digno. Tsahal tem um departamento especial de buscas e que está em constante contato com os familiares dos desaparecidos.

O Primeiro Sargento, Zacaria Baumel era tanquista na 1ª Guerra do Líbano- em 1982- e seu batalhão de tanques foi ordenado avançar e conquistar uma encruzilhada importante na rota de Beirute para Damasco, debaixo do povoado libanês de Sultan Yacoub. A força israelense não sabia que na sua frente a Divisão 1 do exército sírio montou uma emboscada, posicionando se em pontos estrategicos e altos.

Depois de uma longa e desastrosa batalha, 20 tanquistas israelenses morreram, dezenas ficaram feridos, 3 desaparecidos e 3 foram aprisionados. Só para se ter uma idéia da determinação de Israel, os 3 presos de guerra que estavam nas mãos da organização terrorista do Ahmed Jibril, foram trocados por 1.080 terroristas soltos.

Zacaria Baumel e 2 tanquistas de outro tanque, Yehuda Katz e Zvi Feldman, foram declarados desaparecidos. Dos 34 tanques que entraram na batalha, só 8 conseguiram se salvar. Além destes desaparecidos, há também buscas pelos restos mortais do piloto Ron Arad, abatido no Líbano e de Hadar Goldin e Oron Shaul, mortos em Gaza e do espião Eli Cohen, executado na Síria.

Com o passar dos dias, mais informações aparecem. Na 5ª-feira, Netanyahu visitou a Russia por poucas horas. No encontro com o Putin, este revelou que forças russas e sírias estavam empenhadas na busca do cadaver do soldado israelense. De fato, a Russia colaborou com Israel, aproveitando a bagunça que a guerra civil síria deixou.

O Serviço de Inteligência de Israel, forneceu aos russos dados exatos de onde estariam os restos mortais de Zacaria Baumel. Segundo o jornal londrino em língua árabe, a Rai al Youm, no dia 19 de março, forças russas cercaram o campo de refugiados palestinos, Yarmuk e exigiram que todos os armados saissem do campo. Em seguida, entraram e se apoderaram dele.

Foram direto ao cemitério “a shuada” e durante 5 dias, escavaram e retiraram sacos com conteúdo não conhecido. Parece que houve também troca de tiros, pois outros informes disseram que soldados russos foram feridos. Os trabalhos ali foram feitos sob supervisão do exército israelense, que não estava no local fisicamente.

O que foi retirado do cemitério, foi trazido a Israel há mais de uma semana, investigado e analisado pelo IML local e com DNA e foi constatado que o que se buscava durante 37 anos, os restos mortais de Zacaria Baumel é o que estava aí. Foram trazidos outros corpos, mas não eram dos outros 2 desaparecidos. Milagrosamente o macacão de tanquista e outros objetos pessoais foram conservados e trazidos e Israel.

O corpo do Primeiro Sargento Zacaria Baumel, foi trazido a Israel, num avião da El Al, há mais de 1 semana e na 5ª feira (4) foi enterrado no Cemitério Militar, no Monte Herzl, em Jerusalém com a presença de sua familia, dignatários governamentais e militares e dezenas de seus companheiros de farda. Que descanse em paz.

PRESIDENTE BOLSONARO EM ISRAEL

No domingo (31) o Presidente Jair Messias Bolsonaro chegou a Israel e foi calorosamente recepcionado. O premier Netanyahu, num gesto fraterno foi recebê-lo no aeroporto e depois seguiram a Capital do Estado, a Jerusalem. Mais tarde, naquele dia foi anunciada a criação de um Escritório Comercial Brasileiro, em Jerusalem. Muito se cogitou a transferência da Embaixada brasileira à Capital, mas Bolsonaro enfrenta certa oposição à ideia, pediu calma: “o meu mandato vai até 2022, temos que fazer as coisas com calma… e o que eu quero é que seja respeitada a autonomia de Israel… a gente não quer ofender ninguém, mas, eu quero que respeitem a nossa autonomia também”.

Os 2 líderes assinaram declaração conjunta na qual relatam que decidiram elevar as relações bilaterais a um nível de prioridades. Assinaram vários acordos de cooperação nas áreas da Ciências e Tecnologia, Defesa, Segurança Pública, Aviação Civil, Segurança Cibernética e Saúde. Estas ocorreram com os Ministros que acompanharam Bolsonaro e seus colegas locais.

No dia seguinte, o Presidente com a comitiva foram ao Santo Sepulcro e a alguns metros ao Kotel Hamaaravi (o Muro Ocidental do Templo, conhecido pelo Muro das Lamentações). Junto ao Muro, Bolsonaro fez uma oração e depositou o seu pedido, entre as pedras. Daí partiu para a unidade militar de Buscas e Salvamento, que foi auxiliar em Brumadinho e lhes outorgou a mais alta condecoração dada a estrangeiros.

Evidentemente a Autoridade Palestina protestou convocando seu embaixador para consultas. Os palestinos que não sabem fazer algo positivo e só se apresentam como vítimas, não devem ser temidos. Mesmo os países árabes que compram carne, acúcar e outros produtos do Brasil, não deixarão de fazê-lo. Eles ameaçam, pagando um “imposto labial” de cooperação com os palestinos.

O terceiro dia foi dedicado ao empresariado reunindo empresários brasileiros e israelenses e aí o Brasil e Israel podem ganhar muito de ajuda, cooperação e vendas e compras. Logo depois o presidente foi ao Museu do Holocausto, Yad Vashem, onde também plantou uma muda de árvore no Bosque dos Justos. Bolsonaro disse que a visita ali o emocionou muito e assim se sente em cada visita a Terra Santa. “Este lugar especial, Yad Vashem, quero salientar 2 mensagens: o primeiro que a verdade nos libere, o segundo e que repito muitas vezes – quem não recorda o passado, não terá futuro. Ani ohev et Israel” (Eu amo Israel).

Esta visita foi de suma importância para as boas e melhores relações entre os 2 países e os 2 povos. Brasil é muito amado em Israel. Muitos soldados, que após seu serviço militar saem para refrescar suas cabeças, viajam ao Brasil e voltam com boas impressões. Com o voo direto da Latam, o turismo tende a crescer. Quanto mais brasileiros viajarem a Israel, eles verão que a realidade é bem diferente do que é difundido pela mídia e também sentirão a santidade desta terra.

ESCLARECIMENTO

Muitos leitores me escreveram ou ligaram para perguntar da “suposta” contradição entre o que escrevi há 2 semanas, pedindo ao presidente Bolsonaro adiasse sua viagem a Israel e as boas vindas que lhe desejei há 1 semana. Aos leitores esclareço que não há contradição. Pelas eleições gerais a serem realizados no dia 9 de abril, acredito que o presidente poderia adiar a visita em algumas semanas para não estar envolvido na corrida eleitoral. De fato o foi. Ao mesmo tempo, se já foi decidido que vêm, com uma grande comitiva, certamente que desejo boa sorte e dei as boas vindas ao Presidente Bolsonaro e sua comitiva a Israel. A visita do Bolsonaro e de sua comitiva colabora para a cooperação e melhorar as relações entre os nossos 2 países.

ACORDO DE DESACORDO COM HAMAS

Os esforços dos egípcios intercedendo entre Israel e Hamas valeram e no sábado passado (30) as manifestações que deveriam ser “de 1 milhão” restringiram se a apenas menos de 40.000 participantes. Há 1 ano que eles promovem estas manifestações. Desta vez Hanie e Sinwar, lideres da Hamas estiveram presentes. Hamas colocou centenas de ativistas, com trajes para ordenar e afastar as manifestações da cerca da fronteira.

Segundo o “acordo” Hamas não lançará misseis, as unidades de assédio noturno param suas atividades e não haverá lançamento de balões explosivos e ou incendiários. Israel fornecerá a Gaza combustível, mais eletricidade, aumento para 1200 caminhões diários que fornecerão as necessidades de Gaza: material de construção, mantimentos, aumento da área de pesca para 15 milhas e também permitir a transferência de dinheiro vivo de Qatar à Hamas para 40 milhões de dólares.

Já no domingo Hamas lançou 5 mísseis que caíram em áreas abertas. A desculpa é a mesma, foi um erro. Tanques de Israel bombardearam dunas “da Hamas”. Residentes de kibutzim e moshavim da área já não mais aguentam a falta de ação, fazem protesto bem no centro de Tel Aviv, onde levantaram barracas. Após muito tempo sem resposta adequada ao barulho promovido por ativistas da Hamas as noites, o Exercito de Defesa de Israel criou o “Sh’aga” – Rugido). Este produz estrondo insuportável dirigido em direção aos arruaceiros. Além disso, finalmente há um caminhão pipa especial,com jatos de cheiro terrível e em cor azul, que mancha as roupas dos manifestantes.

TERRORISTAS PRESOS PENSAM QUE ESTÃO EM VERANEIO

Os terroristas palestinos em prisões israelenses realmente tem condições relativamente boas. Recebem ingredientes para preparar suas refeições, tem televisores com muitos canais a disposição, recebem visitas e tem telefones públicos. Celulares são proibidos, mas há contrabando, inclusive um deputado árabe-israelense foi pego em flagrante com mais de 20 celulares que quis lhes entregar. Agora está preso. Através dos celulares os terroristas da Hamas recebem instruções de fora para fazer bagunças, atacar policiais ou fazer greves. Por esta razão o serviço carcereiro introduziu barragem ao serviço celular. Os terroristas protestaram e não adiantou. Agora querem fazer greve de fome, iniciada por seus líderes e depois por todos.O serviço carcereiro já tomou providencias, mas teme que terá que lhes levar a hospitais. Já recrutou médicos para inserir soros se for necessário. A tensão aumenta, mas o passado prova que nem todos apoiam.

ELEIÇÕES GERAIS: NETANYAHU OU GANTZ

Alguém já disse que a democracia é um regime ruim, mas é melhor do que os outros que existem por aí. O sistema parlamentar israelense demonstra isto muito bem. O atual governo tem cerca de um quarto do apoio do povo. O 1ºMinistro, neste caso Netanyahu conseguiu com seu partido de 30 deputados (de 120) organizar coalizão de mais de 61 deputados e assim se mantém no poder.

Partidos de 5 ou 6 deputados impõe suas vontades a maioria, mesmo que suas idéias sejam contrárias da maioria, mas o premier aceita só para não perder o poder. As pesquisas de opinião pública, nem sempre acertam, principalmente, como no caso israelense, que há minimo de votos que cada partido tem que obter para entrar no Knesset. A diferença entre pretendente ao cargo máximo entrar no posto ou não depende dos pequenos partidos,se entrarão e lhe darão mais 4 votos a favor ou não.

Embora o partido Kachol Lavan, do centro, tem na maioria das pesquisas mais votos do que o Likud, o bloco da direita liderado por este partido, ter mais chances de formar o novo governo se as pesquisas forem corretas. A formação do novo governo dependerá dos pequenos partidos se passarão ou não a barreira de 4 deputados e que talvez não aparecem nestas enquetes. Israel Beiteinu, do Lieberman e Guesher da Orli Levi-Abukssis estão beirando e podem mudar o quadro.

CURTAS:

VITÓRIA DE ISRAEL NA ONU. A Assembleia Geral da ONU geralmente é hostil em sua relação a Israel. Esta semana a A.G adotou uma unanimemente resolução condenando o antissemitismo, islamofobia e crimes de ódio. O consenso só foi conseguido, por que a resolução inicial só tratava da islamofobia. Aí, o Embaixador israelense para a ONU, Danny Danon se empenhou arregimentando outros embaixadores para acrescentar o antissemitismo também. O motivo desta resolução foi o ataque a 2 mesquitas na Nova Zelandia. Este ataque que nada teve a ver com Israel e ou judeus, foi descrito pelo líder da grande mesquita de Auckland, Nova Zelandia, uma obra do Mossad. Ao mesmo tempo a comunidade judaica da Sinagoga Central de Nova York abriu suas portas na última 6ª feira para que os crentes muçulmanos lá rezassem, devido ao incêndio que atingiu o prédio onde funcionava sua mesquita.

PESSAH MARCA A ENTRADA DA PRIMAVERA. Podemos resumir as abençoadas chuvas que cairam este ano e contribuíram tanto para encher os reservatórios de água principalmente do maior, que é o lago do Kineret (Mar da Galileia). Os rios correm cheios, cascatas se formam das montanhas do Golã e da Galileia e a água corre em direção ao Kineret. Para os israelenses esta visão, além de bela aos olhos, nos enche de alegria e otimismo. Sim, somos pioneiros em dessalinização, mas nada é mais lindo do que a natureza.O nível do Lago da Galileia estava a 5.50 mts abaixo do seu topo. Com as chuvas deste inverno, o lago já subiu cerca de 3 mts (a média anual geralmente é de 1.65 mts). Ainda choverá um pouco e há esperanças de que as águas que virão com o degelo da neve no Monte Hermon, colabore para abastecer ainda mais o Kineret. As chuvas deste inverno também “pintaram” os campos , desde a Galileia até o deserto do Neguev, de verde e com enormes “manchas” de flores coloridas.

A NAVE ESPACIAL BERESHIT SE APROXIMA DA LUA. Ontem (4), os engenheiros, tecnicos e toda a equipe do Space.IL e da Indústria Aeronautica de Israel vibraram. A Bereshit (Genesis) realizou uma manobra, considerada dificil. Após percorrer 5.5 milhões de km. em 12.5 voltas elipticas ao redor do nosso planeta e realizar 7 manobras, das quais em 2 encontraram probleas e corrigiram, veio a hora de se despedir da Terra. A manobra do Bereshit, de ontem, foi despedir se da gravitação da Terra e ser captada, numa pequena janela de apenas 2 horas,pela força da gravidade da Lua. (a 400.000km. daqui).Para que isto aconteça teve que reduzir sua velocidade de 8500 km/h para 7500km/h e tudo correu perfeito para a felicidade geral. Se não conseguisse ter sucesso nesta manobra, a nave entraria em orbita do Sol e sua missão fracassaria. Israel é o sétimo país mundial a conseguir este sucesso e espera na semana que vem- dia 11- ter sucesso em fazer a Bereshit aterrizar na Lua , fincar a bandeira azul e branca com a estrela de David e tornar-se o quarto país do mundo a consegui-lo.

Print Friendly, PDF & Email