COMPARTILHAR

A Confederação Israelita do Brasil (Conib) saúda a decisão do governo dos Estados Unidos de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel, implementando uma lei sancionada em 1995 pelo Congresso americano.

Há mais de 3.000 anos, Jerusalém tem sido o centro da vida judaica, mesmo nos períodos em que não havia liberdade religiosa na cidade.

Em 1949, um ano após a fundação do moderno Estado de Israel, Jerusalém tornou-se oficialmente a capital do país. É lá que se encontram instituições como o Parlamento, a Suprema Corte, os ministérios e os gabinetes do primeiro-ministro e do presidente.

Jerusalém Ocidental faz parte do território israelense desde a fundação do Estado de Israel, precedendo, portanto, o conflito de 1967.

“O povo judeu, ao longo dos séculos, nunca teve outra capital. A decisão de hoje reconhece essa realidade histórica, sem que isso signifique impedimento algum para se alcançar uma paz justa e duradoura na região”, diz Fernando Lottenberg, presidente da Conib.