COMPARTILHAR

O WISE, clube de empreendedorismo dos estudantes do Instituto Weizmann de Ciências, ajudou três ex-alunos a fundarem uma nova empresa para investir no mercado de insetos comestíveis.

As Moscas têm um forte teor de proteínas e gorduras alimentícias, crescem rapidamente e se alimentam de resíduos orgânicos. Uma mosca específica, a mosca soldado negra (Hermitia illucens), poderia representar uma fonte alternativa e sustentável de proteínas para alimentação de animais, e empresas de todo o mundo estão estudando essa possibilidade. A nova empresa fundada pelos três estudantes recém-formados pelo Instituto Weizmann de Ciências pretende investir no setor de insetos comestíveis, congelando os ovos dessas moscas para que os criadores possam planejar e controlar sua produtividade.

O interesse em insetos comestíveis tem crescido nos últimos anos, pois ficou claro que o atual uso de 80% das terras férteis do planeta para alimentar animais é insustentável. As moscas soldado negras são consideradas excelentes candidatas como fonte alternativa de proteínas, pois não picam nem transmitem doenças, e suas larvas crescem rapidamente multiplicando milhares de vezes o tamanho original, alimentadas apenas por resíduos orgânicos como cascas de frutas cítricas ou carne em putrefação. Quando se tornam adultas, as moscas podem ser trituradas e misturadas com farinha para formar um aditivo nutritivo para rações animais.

Os três novos cientistas do Instituto Weizmann de Ciências – Drs. Yuval Gilad, Idan Alyagor e Yoav Politi – batizaram sua empresa de FREEZEM. Como o nome sugere, estão desenvolvendo um método para congelar criogenicamente os ovos das moscas, mantendo sua viabilidade. A tecnologia de congelamento dos ovos, segundo os empreendedores, é diferente da utilizada para congelar óvulos humanos ou bactérias, e eles são os primeiros a oferecer essa técnica.

A ideia do congelamento dos ovos é dividir o ciclo de vida das moscas em duas etapas: Na primeira delas, a fase de reprodução e postura de ovos, e na outra, a fase de crescimento das larvas. Isto permitiria aos criadores se concentrar nos volumes, nas condições e nos prazos corretos para produzir lotes maiores de insetos. “Da mesma forma que os produtores rurais modernos compram suas sementes, os criadores de insetos comestíveis vão comprar ovos congelados, degelá-los e criar as larvas” – explicou Gilad.

Estima-se que o mercado global de insetos comestíveis já movimente 100 milhões de dólares, mas o comércio de rações animais movimenta 400 bilhões de dólares. Isto significa que o mercado potencial para essa fonte alternativa e sustentável de proteínas de insetos é imenso. Os três fundadores da FREEZEM esperam que sua tecnologia se transforme no impulso necessário para tornar a criação de moscas eficiente, economicamente viável e competitiva nesse mercado.

A empresa foi projetada no WISe, o clube de empreendedorismo dos estudantes do Instituto Weizmann de Ciências. Gilad e Politi são amigos desde o jardim de infância; eles conheceram Alyagor no clube. Todos os três tinham planos de sair do mundo acadêmico direto para a indústria, e o WISe os ajudou promovendo reuniões com empreendedores e industriais, fornecendo as ferramentas para o desenvolvimento de um modelo empresarial e finalmente na fundação da empresa. Eles assinaram recentemente um contrato com a Yeda, empresa da área de transferência de tecnologia do Instituto Weizmann, e a Yeda também investiu na FREEZEM.

via Amigos do Weizmann

Print Friendly, PDF & Email

Also published on Medium.