COMPARTILHAR

O Presidente da Conib, Fernando Lottenberg, participou neste domingo (12), da edição do programa do Manhattan Connection. Entre os assuntos abordados, ele discorreu especialmente sobre o crescimento do antissemitismo. Respondendo ao apresentador Lucas Mendes, Lottenberg explicou que a existência do antissemitismo não é novidade, o que é novo é o seu incremento, ou como definiu o apresentador, essa explosão:

“Nesse momento há uma convergência de três fatores: o antissemitismo tradicional, de extrema direita, neonazista, supremacista branco. A ele se aliou o antissemitismo contemporâneo, que vem da extrema esquerda, fundamentado na crítica a Israel, e o extremismo islâmico. Esses três fatores juntos provocaram esse crescimento inédito (do antissemitismo) e que preocupa muito”.

Mais uma vez, em resposta a Lucas Mendes, Lottenberg discorreu sobre o antissemitismo contemporâneo:

“Todo país, todo governo está sujeito a críticas sobre suas políticas. Mas quando se trata de Israel, parece que temos um enfoque distinto, um padrão duplo. Não é como por exemplo, se fala: ‘A Rússia está ocupando a Crimeia’ ou ‘A China está ocupando o Tibete’. No caso de Israel, isso vira uma deslegitimação do próprio Estado, uma condenação em escala internacional, como se Israel fosse o grande vilão da humanidade. Com o agravante ainda de isso repercutir nos judeus que vivem fora de Israel, como se eles fossem responsáveis pela política de lá, coisa que não se vê em outros casos”.

Durante o programa, em conversa com Ricardo Amorim, Diogo Mainardi e Caio Blinder, o presidente da Conib falou sobre a aproximação do governo de Jair Bolsonaro com Israel e das divisões da comunidade judaica nas questões políticas. “No que diz respeito a Israel, há uma satisfação com essa aproximação e não é porque é bom para a comunidade, mas porque é bom para o Brasil. São duas democracias, dois países com valores comuns e pautas econômicas complementares”. Sobre a divisão política da comunidade a respeito do governo Bolsonaro, Fernando explicou que a comunidade “é plural, é diversa. Tem gente que apoia e gente que critica”.

O presidente da Conib falou ainda sobre as relações entre judeus e islâmicos, que historicamente no país, sempre foram amistosas: “Felizmente no Brasil, não é problema. E estamos trabalhando também para que não seja um problema”, afirmou. “Um dos pilares da Conib é o diálogo inter-religioso”.

A íntegra do programa pode ser acessada no Globo Play.

Print Friendly, PDF & Email