Bnai Brith presente em Ato contra a Violência

Compartilhe... Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someone

A B’nai B’rith Brasil esteve representada por Lia Bergmann no Ato Inter-religioso Contra a Violência promovido pela Associação dos Delegados do Estado de São Paulo.

atodelegadosAA

Realizado ao entardecer na frente da Catedral da Sé, no coração de São Paulo, o Ato foi emocionante e ao mesmo tempo instrutivo. Uma revoada de balões brancos simbolizando a paz marcou o início, e durante todo o tempo, os delegados, mativeram uma vela acesa em suas mãos. A Dra. Damaris Moura, presidente da Comissão de Liberdade Religiosa da OAB/SP disse: “Quando a escola falha, quando a família falha, as religiões tem a obrigação de promover a cidadania e o respeito dentre seus fiéis”. Cristiano, representando a Associação dos Ateus e Agnósticos afirmou: “quem não tem Deus no coração não é bandido”, defendendo a liberdade de não crer em nenhuma religião.

O sheik Ragip lembrou que a violência também é fruto da falta de condições econômicas e que todos devem agir em auxílio ao próximo. Líderes do xamanismo, umbanda, da Fundação Abaçai, da Comissão Afro, da Unipaz, entre outros, fizeram uso da palavra. Lia Bergmann destacou a Menorá de sete braços, um dos quais significa “Justiça” – “Justiça, justiça é o que buscarás” – e a importância dos direitos e dos deveres para que haja limites na ação dos seres humanos. Ressaltou ainda, o trabalho inter-religioso como forma de demonstrar a possibilidade de respeito, compreensão mútua e atuação conjunta de pessoas com diferentes crenças, indagando aos delegados como esse grupo pode ajuda-los.

A organização do evento foi realizada por Sandra Santos, da umbanda. É a segunda vez que a instituição atende ao convite da Associação dos Delegados do Estado de São Paulo. A primeira foi em 2012, participando de uma mesa redonda preparatória para a Copa do Mundo. Na ocasião, Lia Bergmann falou sobre antissemitismo, anti-sionismo e neonazismo, respondendo a muitas perguntas dos delegados.