Bnai Brith na Conferencia de Igualdade Racial

Compartilhe... Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someone

A B’nai B’rith esteve presente na quinta-feira, dia 13, na reunião com os representantes de 18 Conferências Regionais da Igualdade Racial que se realizarão entre 6 de julho e 3 de agosto de 2013, abrangendo os mais de 600 municípios paulistas. O evento aconteceu na Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo, responsável pela organização da 3ª Conferência Estadual de Promoção de Igualdade Racial, no mês de agosto, preparatória para a etapa nacional, em novembro.

Elisa Lucas Rodrigues, rodeada por participantes do encontro, entre eles Lia Bergmann

Elisa Lucas Rodrigues, rodeada por participantes do encontro, entre eles Lia Bergmann

“O objetivo da Conferência Estadual é a elaboração de propostas de políticas públicas para a promoção da igualdade racial e para o enfrentamento ao racismo e à discriminação racial e também avaliar os avanços, os desafios e as perspectivas das Políticas de promoção da igualdade racial”, afirma Elisa Lucas Rodrigues, Coordenadora de Políticas para População Negra e Indígena do Estado de São Paulo.

O tema desta Conferência é “Democracia e Desenvolvimento: por um São Paulo contra o Racismo”. Nela serão definidas diretrizes que possibilitem o fortalecimento das políticas de promoção de igualdade racial, na perspectiva de superação das desigualdades raciais. O evento de agosto deve propiciar a participação ampla e democrática de todos os segmentos da sociedade brasileira e seu relatório deve refletir a opinião de todos nela representados.

Na reunião do dia 13, Lia Bergmann, assessora de Direitos Humanos da B’nai B’rith destacou a atuação contra o racismo que a instituição realiza há 170 anos, em mais de 50 países, entendendo que essa questão não é apenas um problema dos negros, mas de toda a sociedade brasileira. Ressaltou também que o trabalho da B’nai B’rith é efetuado em sua maior parte por voluntários de todas as idades, entre eles os sobreviventes do Holocausto, cujos testemunhos são fundamentais para tratar do racismo, da discriminação às minorias e da importância da liberdade e da democracia junto aos professores e alunos.

A comunidade judaica, disse ela, realiza um trabalho constante de conscientização da importância da luta contra o racismo e a xenofobia, somando esforços para combater o crescimento da intolerância em todas as suas formas.