COMPARTILHAR

Iniciada em janeiro de 1944, após 123 dias de luta, terminou em 18 de maio de 1944, tendo sido um dos combates mais violentos da Segunda Guerra Mundial.

A Batalha de Monte Cassino, também conhecida como a Batalha de Roma, teve a participação do II Corpo Polonês, sob o comando do General Władysław Anders, lutando lado a lado com soldados americanos, britânicos, neozelandeses, indianos e franceses.

No dia 18 de maio, às 9h45, uma patrulha do 12º Regimento de Lanceiros Podolski do II Corpo Polones chegou às ruínas de Monte Cassino, hasteando a bandeira polonesa junto com a Union Jack no alto da montanha.

O mosteiro de Monte Cassino foi reduzido a escombros pelos bombardeios aliados, sendo reconstruído dez anos depois. Até hoje as cruzes e estrelas de David no cemiterio militar polones na encosta ao pé da montanha testemunham o preço pago pela vitoria. Decadas depois, o Gen Anders tambem foi sepultado no local, conforme vontade expressa em seu testamento, de repousar entre seus soldados.

Soldados Polono brasileiros tambem estiveram lá, sendo que hoje nenhum está mais aqui entre nós. Assim como a FEB, o II Corpo integrou o 8o. Exercito britânico.

As tropas polonesas desempenharam um papel fundamental na batalha. Dentre os 54 mil soldados aliados que fizeram o sacrificio supremo da propria vida, 923 soldados poloneses tombaram, 2.931 ficaram feridos e 345 foram dados como desaparecidos em ação. Alguns dias após a vitória em Monte Cassino, as tropas aliadas romperam a Linha Gustav ao longo de toda a sua extensão.

Em 14 de junho de 1944, as tropas americanas entraram em Roma. Era o V Exercito americano, sob o comando do Gen Mark Clark, ao qual a FEB se incorporaria um mes depois, em 16 julho 1944.

Print Friendly, PDF & Email
COMPARTILHAR
Artigo anteriorHumor judaico
Próximo artigoEvento beneficente ajuda entidades judaicas do Rio
Israel Blajberg
Há 10 séculos seus antepassados paternos saíram de Bleiberg, na Carinthia (Áustria), firmes como o chumbo (Blei) e imponentes como a montanha (Berg), entrando na Polônia sob o Grande Rei Kazimierz. Teve a honra de ser o primeiro Blajberg nascido no Brasil (Rio de Janeiro, 1945), estando hoje a família na terceira geração verde-e-amarela. Professor da UFRJ e UFF e Engenheiro do BNDES, aposentado em 2015. Palestrante e Autor de livros e artigos sobre Historia do Brasil, Militar, Judaica, Genealogia e Viagens. Membro das Ordens do Mérito da Defesa, Naval, Militar e Aeronáutico, e Medalha Pro-Memoria da Republica da Polônia.