COMPARTILHAR

A 11 de junho de 2010, o ex-presidente cubano Fidel Castro, supostamente ainda vivo, escreveu, com a autoridade moral do ditador decrépito que transformou a ilha de Cuba num enorme campo de concentração, um artigo acusando os judeus de serem os novos nazistas: “A suástica do Führer parece ser a bandeira hoje de Israel. […] Israel prepara um ataque nuclear contra o Irã com a mesma sanha com que as tropas israelenses atacaram há duas semanas a frota humanitária pró-palestina. O ódio do Estado de Israel contra os palestinos é tal que não vacilaria em enviar um milhão e meio de homens, mulheres e crianças dos territórios palestinos para os fornos crematórios em que judeus de todas as idades foram exterminados pelos nazistas.”.

Após a queda do Muro de Berlim e o fim do comunismo, o sistema nazista passou a ser visto com outros olhos pela esquerda: assim como o nazismo, o comunismo também havia sido derrotado pelo capitalismo. Os modelos fracassados tinham mais essa nova identidade. O progresso das chamadas democracias burguesas contrastava com o fracasso clamoroso do nazismo e, agora, do comumismo.

Globalizada, a militância raivosa passou a identificar o capitalismo vencedor com os EUA e Israel e a manifestar cada vez mais abertamente o desejo de eliminar, aniquilar, riscar do mapa o Estado Judeu. Claro, é sempre mais gratificante atacar as minorias, golpear os mais fracos.

Contudo, a esquerda nazista manteve em seu programa, como um álibi, o velho e saudável ódio ao nazismo. Como ela conseguiu conciliar um ódio libertário com seu novo ódio reacionário? A fórmula encontrada foi, depois de distinguir os sionistas dos judeus, assimilar os judeus sionistas aos nazistas e os palestinos aos judeus – mas aos judeus sionistas, que anseiam retornar à Palestina. Assim a esquerda nazista pode odiar os nazistas no passado enquanto assume a herança do nazismo no presente.

Essa esquerda realizou algo que parecia impossível: ser nazista hoje evocando o antinazismo de ontem. Aliando-se a ditadores e genocidas, violadores de direitos humanos, a esquerda nazista já supera largamente o neonazismo em manifestações antissemitas. Engels e August Bebel diziam que o antissemitismo era o socialismo dos idiotas. Não previram que o socialismo, historicamente fracassado, se tornaria apenas o último refúgio dos idiotas.


Also published on Medium.