COMPARTILHAR

Os palestinos comemoraram no dia 1 de janeiro o 54º aniversário da fundação da Fatah liderado por Yasser Arafat. Já aqui começa a mentira palestina.

A Fatah foi fundadada em 10/10/1959, mas os palestinos preferem marcar a data comemorativa no dia em que fizeram o primeiro atentado contra Israel. Nesta data tentaram explodir parte do aqueduto que transporta água do Lago Kineret, no norte de Israel, até o deserto do Negev, no sul, e que abastecia o país inteiro. Nota-se que a atividade belicosa começou ainda antes da Guerra dos Seis Dias, desencadeada em 1967.

A Organização de Libertação da Palestina (OLP) ganhou notoriedade mundial não pelas inovações cientificas ou avanços tecnológicos, muito menos por destacar-se nos esportes, artes ou literatura. Infelizmente atos malignos e inovadores no campo do mal é que a fizeram conhecidos no mundo inteiro.

Na década de 60 do século passado foram os sequestros de aviões e atentados contra civis israelenses. O Setembro Negro na Jordânia, em 1969/1970, quando tentaram depor o rei Hussein e o fogo que atearam em 4 aviões sequestrados para lá. As forças armadas jordanianas lutaram contra eles com toda força. De lá tiveram que se refugiar estabelecendo seu QG em Beirute. Devido aos ataques palestinos do Líbano contra povoados israelenses no norte do país, Israel entrou neste país e a grandes custos conseguiu cessar fogo. Assim tiveram que permitir a Arafat e seus ativistas tomarem outro refugio, mais longe, na Tunisia.

Em 1994, os palestinos e Israel assinam acordo de “paz” e Israel permitiu a vinda da cúpula da OLP estabelecer se na Faixa de Gaza e na Cisjordânia, também devido a exigência da Tunisia de que deixassem o país. Durante a guerra em que o Iraque de Saddam Hussein invade o Kuweit, Arafat posicionou-se ao lado de Hussein. Quando este ditador iraquiano é expulso do Kuweit, o governo deste país expulsa 300 mil palestinos que ali trabalhavam e viviam bem.

Yasser Arafat que nasceu em 4/8/1929 no Cairo e ali fez seus estudos, mentiu em seu curriculo anunciando que nasceu em Jerusalem. Vivia sempre mentindo a si e aos interlocutores. Foi laureado junto com Rabin e Peres com o Prêmio Nobel da Paz, mas jamais quis a paz. Arafat conseguiu ludibriar todos. Até hoje o símbolo da OLP é o mapa que inclui o territorio de Israel, Cisjordânia e a Faixa de Gaza.

O mundo que caiu de “amores” por terroristas barbudos como Fidel Castro e Che Guevara, adotou outro barbudo, o Arafat. Permitiu até que o lider palestino entrasse no recinto da ONU, em 1974, portando na cintura a vista de todos, o seu revolver.

É uma enorme tragédia que os palestinos recebendo durante décadas apoio dos países árabes, muçulmanos e mundial, tanto politico como economico, os desviaram. Em 1974 a OLP foi declarada pelos países árabes a única representante do povo palestino. Mas o dinheiro foi desviado do bem estar social e educacional do povo palestino à compra de armas e mais armas e desviado na corrupção dos seus lideres.

Não só as brigas intra-árabes que agora passaram a se desinteressar dos palestinos, há também a luta entre os palestinos mesmos. Em 12 de dezembro a organização terrorista Hamas comemorou o 31º aniversário da sua fundação. Forças da A.P. usaram muita força para conter os ativistas da Hamas na Cisjordânia. Por outro lado Hamas reprimiu e age contra ativistas da Fatah, em Gaza que governa.

O problema torna-se maior quando de um lado há a o intransigente Hamas e do outro lado a A.P. liderada por um velho, Mahmoud (Abu Mazen) Abbas, que tem problemas salutares e as vezes parece desconectado da realidade. Recentemente Abbas visitou A Sisi no Egito e ameaçou cancelar os acordos de segurança e economicos com Israel. Disse: “tenho 83 anos e não tenho mais forças para lutar, mas tenho a capacidade de dizer não a acordos (não, é a palavra que mais usam). Não estou disposto a terminar minha vida como traidor”.

A Autoridade Palestina que não educa nas suas escolas, nem mesmo as da UNRWA e nos meios de comunicação aceitar a existência do Estado de Israel e ter a paz com os israelenses, faz justamente o contrário. Ensina o ódio aos judeus em geral, aos israelenses e a Israel. Tanto é que nos últimos tempos o Ocidente começou a acordar.

Os EUA, principal financiador da UNRWA parou de financia-la e declara que tem que fechar a organização. Nesta 3ª feira (8) o Parlamento inglês aprovou lei que ameaça cortar de forma significativa a ajuda do governo inglês a A.P. Trata-se de corte de dezenas de milhões de libras esterlinas ao sistema educacional palestino, se este não se adequar aos padrões da UNESCO.

Os ingleses examinaram 173 livros oficiais de ensino e comprovaram que ali ensinam o ódio e o extremismo. Até crianças do jardim de infância de 5 anos, aprendem que devem tornar-se jahid (mártir) e seu dever mais importante é o jihad (guerra religiosa). O Parlamento Europeu também adotou declaração como a inglesa e o Congresso americano estuda adotar lei identica.

A A.P. paga salarios mensais a familiares de terroristas que assassinaram ou feriram israelenses e os enaltecem perpetuando seus nomes em escolas, ruas, praças, etc . Depois de tudo isto reclamam ao mundo que Israel não quer a paz. Até agora os palestinos não abriram mão de nenhuma exigência, principalmente a de deixar o terrorismo e depor as armas para viver ao lado de Israel em paz. Receberam e recebem de Israel e do mundo concessões e ajuda economica que não leva a nada. Nesses termos o Abbas ainda quer exigir que a ONU aceite a A.P.como um país participante integral e não só observador.

A falta de boa vontade é notada também com a Hamas. Depois de informalmente os lados aceitarem a “hudna” (cessar fogo por tempo indeterminado), Israel aumentou a área de pesca de Gaza, lhes deu mais energia eletrica, produtos e permitiu que Qatar lhe transfira dinheiro vivo para pagar aos funcionários publicos e os necessitados. Em troca deveria receber a calma no sul, parar o envio de balões incendiários, as manifestações junto a cerca da fronteira e o lançamento de misseis.

Mas o Hamas testa a paciência de Israel com manifestações “controladas” e ameaças para que nenhum manifestante seja ferido ou morto. Esta semana lançou até um pequeno ANT coberto de dezenas de balões e explosivos, que aterrizou em campo aberto. Se uma criança corresse para pegar um balão, correria o perigo de explodir. A represalia israelense foi bombardear 2 postos da Hamas e não permitir a transferência do dinheiro de Qatar. O Hamas novamente ameaçou de que se o dinheiro não for transferido voltarão a lançar misseis e agitar o sul do pais.

Estudando dezenas de anos o comportamento palestino conclui-se de que neste tempo todo a liderança palestina só trouxe as ameaças, destruição, sofrimento e mortes. Não buscou nada de positivo para que seu povo e os povos da região prosperem tranquilamente e em paz.

O AVANÇO CHINÊS EM ISRAEL PREOCUPA OS EUA

Esta semana esteve em Israel, um grande amigo americano, o chefe do Conselho de Segurança Nacional, John Bolton. Evidentemente discutiu com a liderança israelense os problemas atuais da retirada de tropas americanas da Siria, atividades do Irã e outras. Mas entrou na agenda também a questão da China e não pela primeira vez.

Os chineses avançam no mundo todo, inclusive nas relações diplomáticas e econômicas com Israel. Ganharam concorrência publica para construir um porto em Haifa ao lado do existente onde aportam também navios de guerra da VI Frota americana. A entrada da China em porto desses é contra o interesse americano (por espionagem) e os EUA ameaçaram que se prosseguir com esta intenção os seus navios deixarão de visitar Haifa.

Os chineses já atuam em Israel e adquiriram várias firmas, entre elas a maior produtora de produtos lácteos e outros alimentos, a Tnuva. Segundo minha mãe o seu pai, que não conheci, já na década dos 40 do século passado disse “o perigo será dos amarelos, referindo-se aos chineses”. Esta é a tática chinesa, comprar em todas as partes do globo o que lhes interessa a longo prazo e formar “o cinturão unificador”. Li que no Brasil receberam área de pesca no Atlantico onde os pescadores brasileiros são proibidos de pescar. A economia chinesa é dita privada, mas o governo continua do Partido Comunista e até o bilionário dono da Alibaba, Jack Ma, filiou-se recentemente ao partidão. Os EUA enviaram um sinal de alerta que deve servir não só a Israel mas ao mundo todo.

CURTAS

MOSHE “MISHA” ARENS faleceu nesta 2ª feira (7) aos 93 anos. Misha nasceu em Kovno, Lituania e ainda menino, seus pais emigraram para os EUA. Ele foi engenheirto aeronautico. Em 1940, encontrou-se com Zeev Jabotinsky, encontro este que definiu como “o mais importantes da minha vida”. Para ele foi marcante. Emigrou para Israel , onde além de ser Professor no Technion, Vice Diretor Geral da Industria Aeronautica de Israel, deputado pelo Likud, serviu em 3 épocas como Ministro da Defesa e 1 vez Ministro do Exterior (1988-1989). Foi agraciado com o Prêmio da Segurança de Israel e o Prêmio da Diplomacia Israelense. Em 1987 renunciou ao governo pela decisão de fechar o projeto do avião israelense, Lavie do qual foi idealisador e “pai”. Foi embaixador de Israel nos EUA, onde encontrou um Benjamin Netanyahu e o recrutou. Já em Israel, desgostoso com o “pupilo” concorreu contra Netanyahu pela liderança do Likud e perdeu. Em 2003, Arens deixou o Knesset e a politica, mas continuou atuante como comentarista em jornais. Há poucos meses confrontou novamente o Netanyahu, que segundo Arens devia agir de outra maneira. “Mesmo se alguém te oferece presente, você pode dizer não”. Moshe “Misha” Arens foi decente, honesto, humilde da velha geração, da linha dura politica, que até os adversários respeitavam. No seu enterro em Savion compareceram o Presidente Rivlin, Premier Netanyahu e centenas de autoridades, amigos e admiradores.

PREPARANDO-SE PARA A EUROVISÃO. Israel venceu com a Netta Barzilai o concurso de musica europeia, que lhe garantiu hospedar o Concurso em maio deste ano e será em Tel Aviv. Os organizadores estão trabalhando a todo vapor para que tudo dê certo, afinal espera-se 20.000 turistas só para o evento que poderão ser bons “embaixadores” do país no exterior. A prefeitura de Tel Aviv já esta montando uma “cidadezinha” no Parque Hayarkon, bem perto do local do evento. Além dos 10.000 leitos em hoteis, estão montando barracas que poderão acolher de 2 a 4 pessoas com todo o conforto e acessorios necessarios e com preços baixos. Já tratando de música, o Jazzista israelense TOM OREN de 24 anos, venceu a competição Theolonius Monk Institute of Jazz International Piano, realizada no Kennedy Center em Washington. Oren começou concorrer com outros 13 excelentes pianistas jovens do mundo. O prêmio é de 25 mil dolares e contrato de gravação. Oren estudou em várias escolas e conservatórios em Israel e teve bolsa de estudos no renomado Berkley em Boston. Por ser músico de destaque desde jovem, no seu serviço militar serviu de pianista e arranjador da Banda Musical da Força Aerea. Oren continua com destaque.

A 42ª MARATONA DE TIBERIADES teve vencedora peculiar. Trata-se da Betty Deutsch, uma ultra ortodoxa, mãe de 5 filhos, que correu todo o percurso em 2:42 minutos com saia longa e não com um tradicional calção. A jovem Betty começou a correr há apenas alguns anos e já na Maratona de Jerusalém mostrou que tem vocação ao chegar em 5º lugar entre as mulheres e em 1º entre as israelenses.

EXIMIOS PILOTOS. Durante treino regular de caça F15, a 30.000 metros de altura a marquise (parte que cobre os pilotos) soltou-se. Os pilotos que se vêem nesta situação a cerca de 45º negativos ejetam-se do avião para se salvar. A presença de espirito do piloto Capitão Y e do seu navegador Tenente R depois de notar que eles não se feriram e apesar do intenso vento e frio resolveram salvar o caça. Estabeleceram contato com a base mais próxima de Nevatim e conseguiram aterrisar são e salvos. Nas buscas a marquise foi encontrada perto de Hebron.

A INDUSTRIA RAFAEL e sua associada americana Leonardo DRS anunciaram na quarta (8) que receberam nova encomenda dos sistemas de proteção de tanques e veículos blindados “Corta Vento” do Exército e dos Marines americanos, no valor de 200 milhões de dolares. Esta é a continuação de outro contrato assinado em junho de 2018 no valor de 193 milhões de dolares. Provou eficiência.

A COMPANHIA ISRAELENSE ICS fornecerá ao Exercito americano a partir do mês que vem, dezenas de milhares de porta granadas de mão, Trigger Pouch desenvolvidos pela ICS. Este porta granadas salva vidas, permite que o soldado carregue as granadas junto aoa corpo sem temer que se solte, pois tem dispositivo de segurança facil de manejar.

DEPARTAMENTO PESSOAL DE TSAHAL REVELA NÚMERO DE MORTOS EM 2018. Foram 43 soldados, queda de 55 mortos em 2017. Destes 8 morreram em operações militares, 2 em treinos militares, 4 em acidentes de carro em serviço, 10 em acidentes de carros particulares, quando estavam de férias, 9 suicidios e 10 por motivos de saúde.

NYT DESTACA EILAT. O jornal New York Times não costuma mimar o Estado de Israel. Na edição em que recomenda os” 52 lugares que tem que visitar em 2019” (9) destaca em 6º lugar a cidade de Eilat. O jornal deu a cidade litoranea o título “Nova atitude ao Jardim de Eden do Mar Vermelho”, com vídeo interativo do Museo Aquatico, onde centenas de diversos tipos de peixes e algas marinas e tubarões são vistos.Com a abertura do novo aeroporto Internacional Ramon, há vôos diretos de várias companhias aereas internacionais.

AUMENTO DE PASSAGEIROS NO AEROPORTO DE BEM GURION. As autoridades do aeroporto publicaram os números de 2018. Houve um aumento de 11% em relação a 2017 e passaram pelo Bem Gurion 22.357.736 passageiros. A companhia israelense El Al foi a principal transportadora com 5.6 milhões, seguida pela Turkish que transportou 1.1 milhão e em 3º lugar a hungara de low cost Wizzair. O primeiro lugar do destino de saida foi para a Turquia (2.1 milhão) que para muitos só serve para voos de continuação. Em 2º lugar foi os EUA (mais de 1.6 milhão), seguido pela Alemanha, Italia e França, cada país com cerca de 1.4 milhão.

Print Friendly, PDF & Email